Vendo apenas a Luz | por Michael Berg

A porção Chukat começa com a discussão sobre o  processo de remoção da chamada impureza da morte, a energia escura que vem sobre uma pessoa quando ele ou ela está ao lado de um corpo morto. No entanto, os kabalistas explicam que o propósito dessa leitura não é apenas recontar o processo físico de alguém que esteve por perto do corpo morto, ou que o tenha tocado, tem que passar antes que ele seja novamente considerado puro, mas que isso vai para um ponto muito mais importante e fundamental: a remoção da força que cria a escuridão na vida de alguém.

Ao longo de nossas vidas, quando agimos de forma negativa, nós nos conectamos a essa força de escuridão e, então, essa negatividade se manifesta em nossas vidas de uma forma ou de outra. Mas Shabat Chukat é um presente para nos ajudar a remover todas as forças negativas que se ligaram a nós; lendo, e nos conectando à porção de Chukat, nós recebemos a ajuda para nos separarmos delas.

Os kabalistas nos dizem que até o rei Salomão se refere a essa porção e ao processo de Parah Adumah, a novilha vermelha, que foi queimada e usada como uma ferramenta de purificação para remover qualquer conexão com a força da morte, quando ele disse: "Eu tentei alcançar a sabedoria, mas acabei por encontrá-la longe de mim". E o que os kabalistas ensinam é que poder ver a Luz onde os outros veem as trevas, poder revelar a Luz onde outros experimentam a escuridão, é realmente nosso propósito neste mundo: nossa alma foi colocada nesse corpo físico com propósito de, ao longo da vida, encontrar aqueles lugares que são escuros, que há Luz oculta dentro deles, e revelar essa Luz.

Moisés foi capaz de fazer isso o tempo todo, mesmo quando experimentava a morte. Quando ele viu a morte de Korach, bem como dos filhos de Arão Adav e Navihu, por exemplo, e outros viram a escuridão, ele viu apenas a Luz. Mas a maioria das pessoas não consegue ver essa Luz – e nem mesmo o Rei Salomão, que entendeu que todo o propósito de nossas vidas neste mundo é experimentar e ir a esses lugares de escuridão e revelar Luz, disse que ainda é trabalho para ele, está longe dele ser capaz de ver aqueles que estão experimentando a morte e ser capaz de manter a consciência, de poder ver apenas a Luz ali.

E é disso que trata o Shabat Chukat: é realmente o Shabat quando somos arebatados pela força da purificação para remover todos os apegos, que trouxemos sobre nós mesmos, que manifestam a negatividade. Em última análise, queremos estar no nível de Moisés, no qual não importa a escuridão que vemos, só vemos a Luz. É uma dádiva da porção Chukat, o fortalecimento da nossa consciência de tal forma que onde os outros veem as trevas, vejamos apenas a Luz que está oculta ali.

 

→ clique aqui para ler outros artigos de Michael Berg
 

A porção Chukat começa com a discussão sobre o  processo de remoção da chamada impureza da morte, a energia escura que vem sobre uma pessoa quando ele ou ela está ao lado de um corpo morto. No entanto, os kabalistas explicam que o propósito dessa leitura não é apenas recontar o processo físico de alguém que esteve por perto do corpo morto, ou que o tenha tocado, tem que passar antes que ele seja novamente considerado puro, mas que isso vai para um ponto muito mais importante e fundamental: a remoção da força que cria a escuridão na vida de alguém.

Ao longo de nossas vidas, quando agimos de forma negativa, nós nos conectamos a essa força de escuridão e, então, essa negatividade se manifesta em nossas vidas de uma forma ou de outra. Mas Shabat Chukat é um presente para nos ajudar a remover todas as forças negativas que se ligaram a nós; lendo, e nos conectando à porção de Chukat, nós recebemos a ajuda para nos separarmos delas.

Os kabalistas nos dizem que até o rei Salomão se refere a essa porção e ao processo de Parah Adumah, a novilha vermelha, que foi queimada e usada como uma ferramenta de purificação para remover qualquer conexão com a força da morte, quando ele disse: "Eu tentei alcançar a sabedoria, mas acabei por encontrá-la longe de mim". E o que os kabalistas ensinam é que poder ver a Luz onde os outros veem as trevas, poder revelar a Luz onde outros experimentam a escuridão, é realmente nosso propósito neste mundo: nossa alma foi colocada nesse corpo físico com propósito de, ao longo da vida, encontrar aqueles lugares que são escuros, que há Luz oculta dentro deles, e revelar essa Luz.

Moisés foi capaz de fazer isso o tempo todo, mesmo quando experimentava a morte. Quando ele viu a morte de Korach, bem como dos filhos de Arão Adav e Navihu, por exemplo, e outros viram a escuridão, ele viu apenas a Luz. Mas a maioria das pessoas não consegue ver essa Luz – e nem mesmo o Rei Salomão, que entendeu que todo o propósito de nossas vidas neste mundo é experimentar e ir a esses lugares de escuridão e revelar Luz, disse que ainda é trabalho para ele, está longe dele ser capaz de ver aqueles que estão experimentando a morte e ser capaz de manter a consciência, de poder ver apenas a Luz ali.

E é disso que trata o Shabat Chukat: é realmente o Shabat quando somos arebatados pela força da purificação para remover todos os apegos, que trouxemos sobre nós mesmos, que manifestam a negatividade. Em última análise, queremos estar no nível de Moisés, no qual não importa a escuridão que vemos, só vemos a Luz. É uma dádiva da porção Chukat, o fortalecimento da nossa consciência de tal forma que onde os outros veem as trevas, vejamos apenas a Luz que está oculta ali.

 

→ clique aqui para ler outros artigos de Michael Berg