Unificando nossa alma superior e inferior | por Michael Berg

A porção Emor começa com o Criador dizendo a Moisés: “Fale com os kohenim, os sacerdotes, os filhos de Aarão, e você deve falar a eles…”. Há uma repetição do conceito de falar aos filhos de Aarão. E os comentaristas perguntam: Por que o Criador diz a Moisés para falar uma vez e depois falar de novo? Existe um Midrash que diz que, quando o Criador fala com os anjos, Ele só precisa dizer a eles uma vez o que precisa ser feito, e o que é pedido é feito. Mas a humanidade, que reside neste mundo e, portanto, tem a inclinação negativa, precisa ser informada duas vezes, e, então, há esperança de que será capaz de ouvir e fazer o que foi solicitado.

Assim, Emor começa com uma repetição, na qual o Criador diz a Moisés: “Fale com eles e fale com eles novamente”, e nós queremos entender o que o Midrash está falando aqui. O entendimento básico é que o Criador está dizendo a Moisés: você pode dizer coisas uma vez aos anjos e eles farão isso, mas se você disser duas vezes para as pessoas, só então elas ouvirão. Mas por que duas vezes? Embora pareça um número arbitrário, sabemos que nada na Torah é arbitrário. Por isso, para que possamos entender qual é o segredo desses dois níveis de fala, temos que chegar a uma nova compreensão de quem somos.

Há uma seção de Bnei Yissaschar, o Rav Tzvi Elimelech de Dinov, em seu livro Igra de Kalla al HaTorah, na qual ele diz que a alma que cada um de nós recebe do Criador antes de virmos a este mundo vem de um lugar chamado Shechinah, o Mundo das Almas. E, como o Rav Ashlag repete com frequência nas Dez Emanações Luminosas, em questões espirituais nunca há falta. No mundo físico, por exemplo, se tomarmos um copo e o dermos para outra pessoa, essa pessoa terá o copo, e nós não o teremos mais; no entanto, essa realidade não existe no mundo espiritual. No mundo espiritual, nunca há um desaparecimento, como se a Luz ou energia existisse em um lugar uma vez, ela existe para sempre, e se a Luz tivesse sido compartilhada, significa que ela tanto permanece onde estava ao mesmo tempo em que  existia em outro lugar.

E o mesmo é verdade sobre nossas almas. Nossas almas inicialmente vêm e residem para sempre neste mundo chamado de Shechinah, ou o K'lal Israel, a congregação de todas as almas, de modo que mesmo depois que nossa alma desce de lá, ela ainda continua a viver e a existir no mundo celestial. Infelizmente, muitas vezes cometemos o erro de pensar que a nossa alma existe apenas neste mundo, mas isso não é verdade, porque há duas metades de nossa alma: a metade que reside no Mundo Superior e a metade que é enviada para dentro do corpo. De fato, nossa alma tem 248 partes do corpo, assim como nosso corpo físico tem 248 partes.

Espero que essa compreensão mude nossa visão do que tendemos a pensar sobre o que é o nosso trabalho espiritual. Porque uma vez que entendamos que temos duas partes de nossa alma – a alma celestial que permanece perfeita o tempo todo e a alma inferior que está em nosso corpo –, agora temos uma nova maneira de ver nosso trabalho espiritual. O propósito de nosso trabalho espiritual é para cada ação espiritual e ação de conexão que fazemos para capacitar nossa alma celestial e perfeita a brilhar em nossa alma inferior, na alma que está no corpo físico. E, então, o propósito final de nosso trabalho espiritual é que a totalidade de nossa alma celestial brilhe em nossa alma inferior, tornando-se uma.

No momento da ligação de Isaac, por exemplo, quando Abraão alcançou o propósito final de sua vida, ele diz que o Criador chamou Abraão e disse seu nome duas vezes; o Zohar explica que é o segredo desse verso. Porque Abraão alcançou a perfeição de sua alma naquele momento, não foi que o Criador o enviou para baixo da Grande Luz, mas sim que sua própria alma perfeita foi capaz de se unir completamente com sua alma inferior. Ele criou a conexão perfeita entre sua alma superior e sua alma inferior e, portanto, alcançou o propósito pelo qual veio a este mundo. E esse é o objetivo para cada um de nós alcançar: através de nosso trabalho espiritual, fazendo com que nossa alma celestial brilhe em nossa alma inferior.

Inversamente, se uma pessoa age a partir do

Desejo de Receber para Si Mesma, ela cria uma barreira entre sua alma celestial e sua alma inferior. Portanto, o que acontece, infelizmente, é que ela diminui suas conexões e seu trabalho espiritual. Quando age de acordo com o Desejo de Receber para Si Mesma, causa separação entre sua alma celestial e sua alma inferior e, como resultado, não recebe as bênçãos e a Luz que vêm dessa conexão para nossa alma celestial.

Então, agora temos uma nova maneira de ver nosso trabalho espiritual. Por um lado, existe a alma celestial, a alma perfeita que existe nesse mundo chamado congregação de almas, também chamada de Shechinah, e então há a parte inferior da alma que desceu ao corpo. E em qualquer ação espiritual que fazemos, se nossa consciência pode ser tal que, ao fazermos essa ação, despertamos uma conexão mais forte entre a alma celestial e a alma inferior que está em nosso corpo, podemos unificar ambas as partes da alma, permitindo-nos atrair mais da Luz e bênçãos que estamos destinados a ter neste mundo.

 

→ clique aqui para ler outros artigos de Michael Berg

 

A porção Emor começa com o Criador dizendo a Moisés: “Fale com os kohenim, os sacerdotes, os filhos de Aarão, e você deve falar a eles…”. Há uma repetição do conceito de falar aos filhos de Aarão. E os comentaristas perguntam: Por que o Criador diz a Moisés para falar uma vez e depois falar de novo? Existe um Midrash que diz que, quando o Criador fala com os anjos, Ele só precisa dizer a eles uma vez o que precisa ser feito, e o que é pedido é feito. Mas a humanidade, que reside neste mundo e, portanto, tem a inclinação negativa, precisa ser informada duas vezes, e, então, há esperança de que será capaz de ouvir e fazer o que foi solicitado.

Assim, Emor começa com uma repetição, na qual o Criador diz a Moisés: “Fale com eles e fale com eles novamente”, e nós queremos entender o que o Midrash está falando aqui. O entendimento básico é que o Criador está dizendo a Moisés: você pode dizer coisas uma vez aos anjos e eles farão isso, mas se você disser duas vezes para as pessoas, só então elas ouvirão. Mas por que duas vezes? Embora pareça um número arbitrário, sabemos que nada na Torah é arbitrário. Por isso, para que possamos entender qual é o segredo desses dois níveis de fala, temos que chegar a uma nova compreensão de quem somos.

Há uma seção de Bnei Yissaschar, o Rav Tzvi Elimelech de Dinov, em seu livro Igra de Kalla al HaTorah, na qual ele diz que a alma que cada um de nós recebe do Criador antes de virmos a este mundo vem de um lugar chamado Shechinah, o Mundo das Almas. E, como o Rav Ashlag repete com frequência nas Dez Emanações Luminosas, em questões espirituais nunca há falta. No mundo físico, por exemplo, se tomarmos um copo e o dermos para outra pessoa, essa pessoa terá o copo, e nós não o teremos mais; no entanto, essa realidade não existe no mundo espiritual. No mundo espiritual, nunca há um desaparecimento, como se a Luz ou energia existisse em um lugar uma vez, ela existe para sempre, e se a Luz tivesse sido compartilhada, significa que ela tanto permanece onde estava ao mesmo tempo em que  existia em outro lugar.

E o mesmo é verdade sobre nossas almas. Nossas almas inicialmente vêm e residem para sempre neste mundo chamado de Shechinah, ou o K'lal Israel, a congregação de todas as almas, de modo que mesmo depois que nossa alma desce de lá, ela ainda continua a viver e a existir no mundo celestial. Infelizmente, muitas vezes cometemos o erro de pensar que a nossa alma existe apenas neste mundo, mas isso não é verdade, porque há duas metades de nossa alma: a metade que reside no Mundo Superior e a metade que é enviada para dentro do corpo. De fato, nossa alma tem 248 partes do corpo, assim como nosso corpo físico tem 248 partes.

Espero que essa compreensão mude nossa visão do que tendemos a pensar sobre o que é o nosso trabalho espiritual. Porque uma vez que entendamos que temos duas partes de nossa alma – a alma celestial que permanece perfeita o tempo todo e a alma inferior que está em nosso corpo –, agora temos uma nova maneira de ver nosso trabalho espiritual. O propósito de nosso trabalho espiritual é para cada ação espiritual e ação de conexão que fazemos para capacitar nossa alma celestial e perfeita a brilhar em nossa alma inferior, na alma que está no corpo físico. E, então, o propósito final de nosso trabalho espiritual é que a totalidade de nossa alma celestial brilhe em nossa alma inferior, tornando-se uma.

No momento da ligação de Isaac, por exemplo, quando Abraão alcançou o propósito final de sua vida, ele diz que o Criador chamou Abraão e disse seu nome duas vezes; o Zohar explica que é o segredo desse verso. Porque Abraão alcançou a perfeição de sua alma naquele momento, não foi que o Criador o enviou para baixo da Grande Luz, mas sim que sua própria alma perfeita foi capaz de se unir completamente com sua alma inferior. Ele criou a conexão perfeita entre sua alma superior e sua alma inferior e, portanto, alcançou o propósito pelo qual veio a este mundo. E esse é o objetivo para cada um de nós alcançar: através de nosso trabalho espiritual, fazendo com que nossa alma celestial brilhe em nossa alma inferior.

Inversamente, se uma pessoa age a partir do

Desejo de Receber para Si Mesma, ela cria uma barreira entre sua alma celestial e sua alma inferior. Portanto, o que acontece, infelizmente, é que ela diminui suas conexões e seu trabalho espiritual. Quando age de acordo com o Desejo de Receber para Si Mesma, causa separação entre sua alma celestial e sua alma inferior e, como resultado, não recebe as bênçãos e a Luz que vêm dessa conexão para nossa alma celestial.

Então, agora temos uma nova maneira de ver nosso trabalho espiritual. Por um lado, existe a alma celestial, a alma perfeita que existe nesse mundo chamado congregação de almas, também chamada de Shechinah, e então há a parte inferior da alma que desceu ao corpo. E em qualquer ação espiritual que fazemos, se nossa consciência pode ser tal que, ao fazermos essa ação, despertamos uma conexão mais forte entre a alma celestial e a alma inferior que está em nosso corpo, podemos unificar ambas as partes da alma, permitindo-nos atrair mais da Luz e bênçãos que estamos destinados a ter neste mundo.

 

→ clique aqui para ler outros artigos de Michael Berg