Tornando-se um deserto | por Michael Berg

No primeiro verso na porção Bamidbar, está escrito que o Criador falou a Moisés no deserto do Sinai. E porquanto sabemos que todas as palavras na Torah foram colocadas ali de propósito, há algo interessante para considerar aqui. Está claro, que mesmo na leitura mais básica dessa parte, eles ainda estavam no deserto; obviamente, então, quando o Criador falou com Moisés, foi no deserto. Então, por que a Torah acha que é importante nos informar onde Moisés estava fisicamente quando o Criador falou com ele? Que lição devemos aprender?

Rav Yaakov ben Asher, em seu comentário Ba'al HaTurim, aborda isso citando o Midrash, dizendo que a menos que uma pessoa se torne livre e aberta para todos, como um deserto, ela não pode ser espiritual ou obter a verdadeira sabedoria espiritual, que é a essência da Torah. Assim como no deserto qualquer um pode entrar e fazer o que quiser, também uma pessoa precisa alcançar esse nível.

O Midrash usa um termo, hefker, que não tem uma tradução verdadeira em inglês nem em português, mas denota basicamente algo ou alguém que é completamente livre e aberto para fazer o que quiser, alguém ou algo que não tem dono ou capataz – como um deserto. Esta lição, portanto, é importante: a Torah está realmente nos dizendo que existe um pré-requisito que, a menos que seja cumprido, nos impedirá de alcançar crescimento espiritual ou conexão com o Criador. Devemos estar sem qualquer ego, não nos importando se alguém fez ou não fez alguma coisa para nós, não se irritar com outra pessoa se ela não fizer o que desejamos, pois somos hefker, como o deserto.

Esta ideia de ser como o deserto é de longo alcance em quase todas as facetas da nossa vida e, na verdade, é uma tarefa bastante assustadora. A partir do momento em que nascemos e ao longo de nossas vidas, nossa natureza é exatamente o oposto de um deserto. Nós guardamos ferozmente tudo o que é nosso ou que achamos que deveria ser nosso. Sentimos a necessidade de revidar qualquer um que viole de alguma forma o que achamos ser nosso território. Mas independentemente da natureza imponente desta tarefa de nos tornarmos como um deserto, a Torah está nos dizendo que, sem essa transformação, não podemos realmente nos conectar com a Luz do Criador.

É uma tarefa que precisamos assumir quando desejamos crescer espiritualmente e nos conectar com a Luz do Criador.

É importante lembrar, no entanto, que não devemos nos transformar em hefker em um dia. Em vez disso, o que se espera de nós é que, regularmente, façamos o que é necessário para provocar essa transformação. É um processo demorado, pelo qual nos é dado uma vida inteira para completar, e com a ajuda da porção Bamidbar, podemos dar os primeiros passos para começar essa transformação. Enquanto estivermos constantemente nos transformando, poderemos nos conectar com a Luz do Criador; e apenas se não fizermos nenhum esforço para desenvolver essa característica de sermos como um deserto, que não seremos capazes de nos conectar com a Luz.

 

→ clique aqui para ler outros artigos de Michael Berg

 

No primeiro verso na porção Bamidbar, está escrito que o Criador falou a Moisés no deserto do Sinai. E porquanto sabemos que todas as palavras na Torah foram colocadas ali de propósito, há algo interessante para considerar aqui. Está claro, que mesmo na leitura mais básica dessa parte, eles ainda estavam no deserto; obviamente, então, quando o Criador falou com Moisés, foi no deserto. Então, por que a Torah acha que é importante nos informar onde Moisés estava fisicamente quando o Criador falou com ele? Que lição devemos aprender?

Rav Yaakov ben Asher, em seu comentário Ba'al HaTurim, aborda isso citando o Midrash, dizendo que a menos que uma pessoa se torne livre e aberta para todos, como um deserto, ela não pode ser espiritual ou obter a verdadeira sabedoria espiritual, que é a essência da Torah. Assim como no deserto qualquer um pode entrar e fazer o que quiser, também uma pessoa precisa alcançar esse nível.

O Midrash usa um termo, hefker, que não tem uma tradução verdadeira em inglês nem em português, mas denota basicamente algo ou alguém que é completamente livre e aberto para fazer o que quiser, alguém ou algo que não tem dono ou capataz – como um deserto. Esta lição, portanto, é importante: a Torah está realmente nos dizendo que existe um pré-requisito que, a menos que seja cumprido, nos impedirá de alcançar crescimento espiritual ou conexão com o Criador. Devemos estar sem qualquer ego, não nos importando se alguém fez ou não fez alguma coisa para nós, não se irritar com outra pessoa se ela não fizer o que desejamos, pois somos hefker, como o deserto.

Esta ideia de ser como o deserto é de longo alcance em quase todas as facetas da nossa vida e, na verdade, é uma tarefa bastante assustadora. A partir do momento em que nascemos e ao longo de nossas vidas, nossa natureza é exatamente o oposto de um deserto. Nós guardamos ferozmente tudo o que é nosso ou que achamos que deveria ser nosso. Sentimos a necessidade de revidar qualquer um que viole de alguma forma o que achamos ser nosso território. Mas independentemente da natureza imponente desta tarefa de nos tornarmos como um deserto, a Torah está nos dizendo que, sem essa transformação, não podemos realmente nos conectar com a Luz do Criador.

É uma tarefa que precisamos assumir quando desejamos crescer espiritualmente e nos conectar com a Luz do Criador.

É importante lembrar, no entanto, que não devemos nos transformar em hefker em um dia. Em vez disso, o que se espera de nós é que, regularmente, façamos o que é necessário para provocar essa transformação. É um processo demorado, pelo qual nos é dado uma vida inteira para completar, e com a ajuda da porção Bamidbar, podemos dar os primeiros passos para começar essa transformação. Enquanto estivermos constantemente nos transformando, poderemos nos conectar com a Luz do Criador; e apenas se não fizermos nenhum esforço para desenvolver essa característica de sermos como um deserto, que não seremos capazes de nos conectar com a Luz.

 

→ clique aqui para ler outros artigos de Michael Berg