Tornando-se Um com a Luz | por Michael Berg

Na porção Tetzaveh, o Criador dá mandamentos a Moisés, começando com as palavras Ve'ata Tetzaveh, “E você deve comandar”, mas não menciona Moisés pelo nome, usando apenas a palavra “você”. Isso é importante, porque os kabalistas apontam que é o único lugar na Torah, desde o tempo em que Moisés nasceu até agora, em que seu nome não é mencionado.

O Baal Haturim dá uma explicação do porquê disso. No momento da queda do bezerro de ouro, o Criador queria destruir todos os israelitas, mas Moisés disse ao Criador: “Você tem que perdoá-los e remover o julgamento; se você não o fizer, então você pode me apagar do seu livro”. E embora o Criador tenha aceitado o pedido de Moisés e perdoado os israelitas, a declaração “apaga-me do Seu livro”, o Baal Haturim explica, concretizou-se para Moisés na porção Tetzaveh, na qual seu nome não é mencionado.

Essa é a compreensão literal do porquê o nome de Moisés não é mencionado nessa parte, mas, é claro, sabemos que há uma compreensão mais profunda de tudo.

Então, qual é a compreensão mais profunda da falta do nome de Moisés na porção de Tetzaveh, e como isso se relaciona com o que aconteceu quando Moisés se sacrificou completamente para salvar todos os israelitas? A resposta, os kabalistas ensinam, é que o grau no qual  uma pessoa pode realmente efetuar a mudança e atrair infinitas luzes e bênçãos é somente o grau em que ele ou ela removeu completamente seu próprio interesse pessoal ou motivação do processo. E foi isso que Moisés fez.

Em última análise, a alma mais elevada, um tzadik, ou pessoa justa, é aquela que não faz nada por si mesma; a única motivação por trás do que ela faz é no interesse de ajudar os outros. Quando Moisés disse ao Criador que Ele deveria “me apagar do Seu livro” a menos que o julgamento e a negatividade fossem removidos dos israelitas, Moisés estava essencialmente dizendo: “Eu não tenho propósito na vida, senão o propósito de dar aos outros”. Naquele momento, Moisés alcançou o nível de remoção completa do ego e motivação egoísta de cada ação que ele fez pelo resto de sua vida – e tornou-se um com o Criador.

Por quê? Porque quando removemos completamente o nosso ego, nos tornamos completamente unificados com a Luz do Criador, não existindo mais como uma entidade separada da Luz. Quando alcançamos esse nível, podemos trazer qualquer bênção, remover qualquer julgamento e trazer cura. Portanto, apercebemo-nos que a razão pela qual Moisés não é mencionado pelo nome nessa porção não é devido a uma punição; em vez disso, é a maior recompensa.

É a indicação do que Moisés alcançou: ele chegou a um estado em que não mais existia como um indivíduo separado e distinto. Moisés era simplesmente a Luz do Criador e, por causa disso, como os kabalistas explicam, tudo o que Moisés fez durou para sempre, porque ele desistiu completamente de seu ego e interesse pessoal.

E essa é a energia disponível para nós no Shabat Tetzaveh; podemos pedir a remoção de nossos próprios desejos pessoais do que fazemos, para que possamos finalmente chegar ao lugar no qual não mais existiremos separadamente da Luz. Podemos nos tornar um com o Criador, e, assim, como a Luz do Criador pode curar, também podemos nos curar; assim como a Luz do Criador pode trazer bênçãos, então podemos trazer bênçãos.

Nesse estado, não há nada que a Luz do Criador não possa fazer que não possamos fazer, porque não somos mais separados. É o estado final que Moisés alcançou neste Shabat, e o incrível presente que podemos pedir. E à medida que desejamos, à medida que pedimos ao Criador para nos dar a assistência para nos separarmos de todas as agendas egoístas que temos, é nessa medida que o que fazemos pode realmente durar para sempre e ser apenas da Luz.

→ clique aqui para ler outros artigos de Michael Berg

 

Na porção Tetzaveh, o Criador dá mandamentos a Moisés, começando com as palavras Ve'ata Tetzaveh, “E você deve comandar”, mas não menciona Moisés pelo nome, usando apenas a palavra “você”. Isso é importante, porque os kabalistas apontam que é o único lugar na Torah, desde o tempo em que Moisés nasceu até agora, em que seu nome não é mencionado.

O Baal Haturim dá uma explicação do porquê disso. No momento da queda do bezerro de ouro, o Criador queria destruir todos os israelitas, mas Moisés disse ao Criador: “Você tem que perdoá-los e remover o julgamento; se você não o fizer, então você pode me apagar do seu livro”. E embora o Criador tenha aceitado o pedido de Moisés e perdoado os israelitas, a declaração “apaga-me do Seu livro”, o Baal Haturim explica, concretizou-se para Moisés na porção Tetzaveh, na qual seu nome não é mencionado.

Essa é a compreensão literal do porquê o nome de Moisés não é mencionado nessa parte, mas, é claro, sabemos que há uma compreensão mais profunda de tudo.

Então, qual é a compreensão mais profunda da falta do nome de Moisés na porção de Tetzaveh, e como isso se relaciona com o que aconteceu quando Moisés se sacrificou completamente para salvar todos os israelitas? A resposta, os kabalistas ensinam, é que o grau no qual  uma pessoa pode realmente efetuar a mudança e atrair infinitas luzes e bênçãos é somente o grau em que ele ou ela removeu completamente seu próprio interesse pessoal ou motivação do processo. E foi isso que Moisés fez.

Em última análise, a alma mais elevada, um tzadik, ou pessoa justa, é aquela que não faz nada por si mesma; a única motivação por trás do que ela faz é no interesse de ajudar os outros. Quando Moisés disse ao Criador que Ele deveria “me apagar do Seu livro” a menos que o julgamento e a negatividade fossem removidos dos israelitas, Moisés estava essencialmente dizendo: “Eu não tenho propósito na vida, senão o propósito de dar aos outros”. Naquele momento, Moisés alcançou o nível de remoção completa do ego e motivação egoísta de cada ação que ele fez pelo resto de sua vida – e tornou-se um com o Criador.

Por quê? Porque quando removemos completamente o nosso ego, nos tornamos completamente unificados com a Luz do Criador, não existindo mais como uma entidade separada da Luz. Quando alcançamos esse nível, podemos trazer qualquer bênção, remover qualquer julgamento e trazer cura. Portanto, apercebemo-nos que a razão pela qual Moisés não é mencionado pelo nome nessa porção não é devido a uma punição; em vez disso, é a maior recompensa.

É a indicação do que Moisés alcançou: ele chegou a um estado em que não mais existia como um indivíduo separado e distinto. Moisés era simplesmente a Luz do Criador e, por causa disso, como os kabalistas explicam, tudo o que Moisés fez durou para sempre, porque ele desistiu completamente de seu ego e interesse pessoal.

E essa é a energia disponível para nós no Shabat Tetzaveh; podemos pedir a remoção de nossos próprios desejos pessoais do que fazemos, para que possamos finalmente chegar ao lugar no qual não mais existiremos separadamente da Luz. Podemos nos tornar um com o Criador, e, assim, como a Luz do Criador pode curar, também podemos nos curar; assim como a Luz do Criador pode trazer bênçãos, então podemos trazer bênçãos.

Nesse estado, não há nada que a Luz do Criador não possa fazer que não possamos fazer, porque não somos mais separados. É o estado final que Moisés alcançou neste Shabat, e o incrível presente que podemos pedir. E à medida que desejamos, à medida que pedimos ao Criador para nos dar a assistência para nos separarmos de todas as agendas egoístas que temos, é nessa medida que o que fazemos pode realmente durar para sempre e ser apenas da Luz.

→ clique aqui para ler outros artigos de Michael Berg