Tornando-se um anjo na consciência | por Michael Berg

Falando sobre o início da porção Nitzavim, está escrito no Midrash que, neste Shabat, o Criador, transforma os israelitas – e nós – em anjos.

Está escrito em Isaías que os anjos pairam acima do Criador, e Rashi, o grande kabalista, explica que isso significa que os anjos estão prontos e esperando para servir o Criador, para manifestar a Luz do Criador neste mundo. Portanto, está escrito no Midrash que a palavra nitzavim, que significa "levantar", refere-se à capacidade de se levantar, como anjos, que está sendo dada a cada um de nós no Shabat de Nitzavim. Essa é uma mensagem muito importante: no Shabat Nitzavim, podemos vir a ser como um anjo.

Mas o que significa o Criador nos dar a capacidade de nos tornarmos como os anjos, e como isso pode ser alcançado? Além disso, que conexão isso tem por ser o Shabat antes de Rosh Hashaná?

Os kabalistas explicam que os anjos são seres únicos, cuja totalidade de essência e Luz vem apenas de suas ações. De fato, os anjos não têm nomes; seus nomes, ou essência, dependem da mensagem ou ação para a qual o Criador os está enviando para executar.

Quando o Criador envia um anjo para trazer cura, por exemplo, o anjo se torna um anjo de cura; ou quando o Criador envia um anjo para trazer sustento, ele se torna um anjo de sustento. E, a partir disso, ele obtém sua conexão e seu nome.

Então, enquanto os anjos estão fazendo a ação, sua Luz vem da tarefa que eles estão manifestando para o Criador. Mas e os anjos que estão esperando, que estão no período entre essas ações, onde eles obtêm sua Luz ou essência? Os kabalistas explicam que vem da consciência de seu desejo, de sua prontidão para fazer o que o Criador deseja que eles façam. Portanto, existem dois tipos de anjos: aqueles que estão agindo de acordo com os desejos do Criador, manifestando Luz e bênçãos neste mundo, e aqueles que estão entre tarefas, retirando sua essência do fato de que estão esperando e desejam fazer o que o Criador quer que eles façam.

Os kabalistas dizem que há quatro coisas que formam um anjo: ele está pronto, preparado, de pé e deseja fazer o que o Criador quer que ele faça. Com isso, podemos entender o que significa se tornar um anjo. Existem, como dissemos, anjos de ação: pessoas justas estão conectadas dessa maneira. Mas há outra mudança na consciência que pode ocorrer para transformar uma pessoa em anjo: quando um indivíduo realmente chega à consciência na qual ele se encontra de pé, disposto, preparado e pronto para fazer o que o Criador quiser que ele faça, anulando completamente qualquer um de seus próprios desejos egoístas, então ele atinge o nível de um anjo.

Em Rosh Hashaná, a Luz e as bênçãos fluem para o coletivo, que é chamado de knesset Yisrael; no entanto, não fazemos parte disso. Atualmente, estamos todos no estado de ser um indivíduo, separados do coletivo. Para entrar nele e receber o conjunto de bênçãos que garantidamente fluirão em Rosh Hashaná, ou precisamos merecê-lo, ou para aqueles que não concluíram nosso processo de teshuvá, precisamos nos tornar um anjo na consciência.

E o Midrash nos diz que, no Shabat Nitzavim, o Criador nos dá a abertura para nos tornarmos anjos na consciência. Fazemos isso provando que sabemos que não importa o que aconteça, tudo vem do Criador e aceitamos com alegria, porque é o que o Criador deseja de nós.

Atualmente, muitos de nós acordamos todas as manhãs e temos nosso próprio plano para o dia. Mas o Criador também tem um plano para nós para esse dia, que pode ser diferente do nosso. Então, como você reage ao plano do Criador para o dia? Dizemos: "Estou pronto, disposto e esperando para anular todos os meus desejos pelo plano do Criador. Estou pronto, em pé, preparado e desejo fazer o que o Criador quiser que eu faça"? Porque é nesses momentos que podemos ter a oportunidade de mudar nossa consciência para a de um anjo. E se fizermos isso, se formos capazes de nos tornar um anjo na consciência nos dias que antecedem Rosh Hashaná, podemos obter acesso ao local de onde toda a Luz e bênçãos fluem.

→ clique aqui para ler outros artigos de Michael Berg

 

Falando sobre o início da porção Nitzavim, está escrito no Midrash que, neste Shabat, o Criador, transforma os israelitas – e nós – em anjos.

Está escrito em Isaías que os anjos pairam acima do Criador, e Rashi, o grande kabalista, explica que isso significa que os anjos estão prontos e esperando para servir o Criador, para manifestar a Luz do Criador neste mundo. Portanto, está escrito no Midrash que a palavra nitzavim, que significa "levantar", refere-se à capacidade de se levantar, como anjos, que está sendo dada a cada um de nós no Shabat de Nitzavim. Essa é uma mensagem muito importante: no Shabat Nitzavim, podemos vir a ser como um anjo.

Mas o que significa o Criador nos dar a capacidade de nos tornarmos como os anjos, e como isso pode ser alcançado? Além disso, que conexão isso tem por ser o Shabat antes de Rosh Hashaná?

Os kabalistas explicam que os anjos são seres únicos, cuja totalidade de essência e Luz vem apenas de suas ações. De fato, os anjos não têm nomes; seus nomes, ou essência, dependem da mensagem ou ação para a qual o Criador os está enviando para executar.

Quando o Criador envia um anjo para trazer cura, por exemplo, o anjo se torna um anjo de cura; ou quando o Criador envia um anjo para trazer sustento, ele se torna um anjo de sustento. E, a partir disso, ele obtém sua conexão e seu nome.

Então, enquanto os anjos estão fazendo a ação, sua Luz vem da tarefa que eles estão manifestando para o Criador. Mas e os anjos que estão esperando, que estão no período entre essas ações, onde eles obtêm sua Luz ou essência? Os kabalistas explicam que vem da consciência de seu desejo, de sua prontidão para fazer o que o Criador deseja que eles façam. Portanto, existem dois tipos de anjos: aqueles que estão agindo de acordo com os desejos do Criador, manifestando Luz e bênçãos neste mundo, e aqueles que estão entre tarefas, retirando sua essência do fato de que estão esperando e desejam fazer o que o Criador quer que eles façam.

Os kabalistas dizem que há quatro coisas que formam um anjo: ele está pronto, preparado, de pé e deseja fazer o que o Criador quer que ele faça. Com isso, podemos entender o que significa se tornar um anjo. Existem, como dissemos, anjos de ação: pessoas justas estão conectadas dessa maneira. Mas há outra mudança na consciência que pode ocorrer para transformar uma pessoa em anjo: quando um indivíduo realmente chega à consciência na qual ele se encontra de pé, disposto, preparado e pronto para fazer o que o Criador quiser que ele faça, anulando completamente qualquer um de seus próprios desejos egoístas, então ele atinge o nível de um anjo.

Em Rosh Hashaná, a Luz e as bênçãos fluem para o coletivo, que é chamado de knesset Yisrael; no entanto, não fazemos parte disso. Atualmente, estamos todos no estado de ser um indivíduo, separados do coletivo. Para entrar nele e receber o conjunto de bênçãos que garantidamente fluirão em Rosh Hashaná, ou precisamos merecê-lo, ou para aqueles que não concluíram nosso processo de teshuvá, precisamos nos tornar um anjo na consciência.

E o Midrash nos diz que, no Shabat Nitzavim, o Criador nos dá a abertura para nos tornarmos anjos na consciência. Fazemos isso provando que sabemos que não importa o que aconteça, tudo vem do Criador e aceitamos com alegria, porque é o que o Criador deseja de nós.

Atualmente, muitos de nós acordamos todas as manhãs e temos nosso próprio plano para o dia. Mas o Criador também tem um plano para nós para esse dia, que pode ser diferente do nosso. Então, como você reage ao plano do Criador para o dia? Dizemos: "Estou pronto, disposto e esperando para anular todos os meus desejos pelo plano do Criador. Estou pronto, em pé, preparado e desejo fazer o que o Criador quiser que eu faça"? Porque é nesses momentos que podemos ter a oportunidade de mudar nossa consciência para a de um anjo. E se fizermos isso, se formos capazes de nos tornar um anjo na consciência nos dias que antecedem Rosh Hashaná, podemos obter acesso ao local de onde toda a Luz e bênçãos fluem.

→ clique aqui para ler outros artigos de Michael Berg