Tetzaveh: Escolhendo Altruísmo | por Karen Berg

A alma é altruísta. Sendo como o Criador, nossa alma tem somente um desejo: o de compartilhar.

Depois do pecado do Bezerro de Ouro, o Criador quis destruir o povo –  para basicamente apertar o botão de reinicialização, e começar de novo. Moisés desafiou Deus, “Se você destruir este povo, então me destrua também. Apague meu nome de Seu Livro.”  Deus não destruiu o povo, mas mesmo assim o nome de Moisés foi apagado da porção desta semana, o capítulo de Tetzaveh.

Na superfície, poderia parecer que o Criador estivesse punindo Moisés, por não incluir seu nome aqui. No entanto, aprendemos no Zohar que o oposto é verdade.

Uma das dificuldades em entender os princípios kabalísticos é: o que está oculto é muito mais poderoso do que o que está revelado. Assim como o nome de Moisés não é mencionado na porção desta semana, o nome de Deus não aparece no Pergaminho de Esther que iremos ler no feriado de Purim. Será que a omissão do nome de Deus significa a falta de Deus neste pergaminho? Pelo contrário, aprendemos com o Zohar que Purim será o único feriado que ficará após a Correção Final. O nome de Deus não ser mencionado no pergaminho de Esther é uma indicação da presença infinita de Deus e da abundância de Luz que está disponível. O que está oculto é o que está mais disponível e eterno.

A exclusão do nome de Moisés deste capítulo não é uma punição para Moisés, mas sim o presente do Criador para nós. A verdade é  que nós temos mais da essência de Moisés neste capítulo do que em qualquer outro. Na porção desta semana, Moisés estava disposto a se sacrificar completamente em nome do povo. Você consegue imaginar? Eu não acho que muitos de nós enfrentariam as vozes da autoridade em nossas próprias vidas, muito menos o Criador! Moisés não procurou satisfazer Deus, nem Deus desejava a submissão de Moisés. O propósito de sua alma era ajudar a humanidade, e ao desafiar o Criador, ele cumpriu seu destino, assim como era o desejo de Deus para ele. Se amor é altruísta, então com certeza Moisés era a verdadeira personificação do amor neste capítulo.

A alma é altruísta. Sendo como o Criador, nossa alma tem somente um desejo: o de compartilhar.

Depois do pecado do Bezerro de Ouro, o Criador quis destruir o povo –  para basicamente apertar o botão de reinicialização, e começar de novo. Moisés desafiou Deus, “Se você destruir este povo, então me destrua também. Apague meu nome de Seu Livro.”  Deus não destruiu o povo, mas mesmo assim o nome de Moisés foi apagado da porção desta semana, o capítulo de Tetzaveh.

Na superfície, poderia parecer que o Criador estivesse punindo Moisés, por não incluir seu nome aqui. No entanto, aprendemos no Zohar que o oposto é verdade.

Uma das dificuldades em entender os princípios kabalísticos é: o que está oculto é muito mais poderoso do que o que está revelado. Assim como o nome de Moisés não é mencionado na porção desta semana, o nome de Deus não aparece no Pergaminho de Esther que iremos ler no feriado de Purim. Será que a omissão do nome de Deus significa a falta de Deus neste pergaminho? Pelo contrário, aprendemos com o Zohar que Purim será o único feriado que ficará após a Correção Final. O nome de Deus não ser mencionado no pergaminho de Esther é uma indicação da presença infinita de Deus e da abundância de Luz que está disponível. O que está oculto é o que está mais disponível e eterno.

A exclusão do nome de Moisés deste capítulo não é uma punição para Moisés, mas sim o presente do Criador para nós. A verdade é  que nós temos mais da essência de Moisés neste capítulo do que em qualquer outro. Na porção desta semana, Moisés estava disposto a se sacrificar completamente em nome do povo. Você consegue imaginar? Eu não acho que muitos de nós enfrentariam as vozes da autoridade em nossas próprias vidas, muito menos o Criador! Moisés não procurou satisfazer Deus, nem Deus desejava a submissão de Moisés. O propósito de sua alma era ajudar a humanidade, e ao desafiar o Criador, ele cumpriu seu destino, assim como era o desejo de Deus para ele. Se amor é altruísta, então com certeza Moisés era a verdadeira personificação do amor neste capítulo.

Com a ligação desta porção de Tetzaveh e o feriado de Purim, existe uma energia do amor eterno de Deus pela humanidade, que permeia o cosmos agora. Não existe melhor hora que o presente para assumir o trabalho espiritual de tornarmo-nos mais altruístas.

Não, nenhum de nós pretendemos ser Moisés, mas com certeza devemos nos tornar a nossa melhor versão. Nós alcançamos este potencial cada vez que expandimos nossa capacidade de fazer com que ajudar a humanidade seja nossa prioridade. Para cada ocasião que escolhemos altruísmo ao invés de egoísmo, a Luz de nossas almas e a Luz do Criador brilha muito mais intensamente no mundo.

Esta semana faça do altruísmo seu verdadeiro Norte.

Desejo a você uma semana abençoada,

Karen

→ clique aqui para ler outros artigos de Karen Berg