Ter um coração tão frágil como cera Por Michael Berg

A história na porção de Toldot é bem conhecida: Isaque quer dar a bênção do primogênito a Esaú, o filho egoísta, mas Rebeca diz a Jacó que eles devem enganar Isaque para que ele lhe dê a bênção em vez de dar a seu irmão, fazendo isso preparando a comida e vestindo as roupas de Esaú. E o Midrash nos dá uma visão interessante da psique e das emoções de Jacó durante esses momentos que são importantes para nós entendermos.

Está escrito no Midrash que Jacó não quer fazer isso, e que ele é forçado a fazê-lo. Está escrito também que ele está se preparando para entrar no quarto de seu pai, curvado, completamente arrasado e chorando. Então, como Jacó está se preparando para receber o que é provavelmente a maior Luz revelada neste mundo, como ele faz isso? Forçado, curvado, completamente devastado e chorando. Quando ele entra na sala, seu pai sente que algo está errado por muitas razões: Isaque tem o cheiro do Jardim do Éden, mas ele sabe que Esaú não está conectado ao Jardim do Éden, e ouve Jacó usar os nomes que se referem ao Criador, mas sabe que Esaú não está conectado à Luz do Criador. Portanto, ele diz a Jacó: "Eu quero sentir você. Quero ver se você é realmente meu filho Esaú".

Jacó está chorando tanto que as lágrimas estão caindo em seus quadris e coxas, e está escrito que seu coração está tão frágil quanto cera. Ele está tão aflito e triste que não consegue sequer se mover. Então o Criador envia dois anjos para apoiá-lo e levá-lo para perto de Isaque, já que ele não consegue ir por conta própria. Jacó perdeu o poder sobre seu corpo, e esses dois anjos o estão segurando; esse é o segredo do versículo em Isaías: "Não desista, porque o Criador está lá para apoiá-lo".

Mas por que o Criador está fazendo tudo isso? Pobre Jacó – não há formas mais fáceis para ele atrair toda essa Luz? A resposta, e isso é imprescindível para entender, é que a única maneira de Jacó merecer as grandes dádivas de Isaque é se ele estiver completamente arrasado. Somente quando Jacó não sentiu nada de si mesmo, nem pensamentos, mérito ou capacidade própria, as bênçãos vieram. A única maneira de Jacó – ou de qualquer pessoa – despertar aquela grande Luz e atrair essas bênçãos foi sendo muito vazio, como ocorreu naquele momento.

Até o Fim da Correção, o fim da dor, do sofrimento e da morte neste mundo, toda a Luz da elevação e da revelação vem desse momento da época de Jacó. E somente porque Jacó estava tão carente e vazio que ele foi capaz de atrair essa Luz para si e para o mundo. Aprendemos com isso, portanto, algo extremamente importante: se queremos ter uma grande Luz e receber as maiores bênçãos, precisamos nos sentir desprovidos de mérito, como Jacó fez. Temos que ter, como o Midrash nos diz, um coração tão frágil quanto a cera, de modo que estejamos tão vazios que nem podemos nos mover e precisamos dos anjos para nos apoiar.

 

→ clique aqui para ler outros artigos de Michael Berg

 

A história na porção de Toldot é bem conhecida: Isaque quer dar a bênção do primogênito a Esaú, o filho egoísta, mas Rebeca diz a Jacó que eles devem enganar Isaque para que ele lhe dê a bênção em vez de dar a seu irmão, fazendo isso preparando a comida e vestindo as roupas de Esaú. E o Midrash nos dá uma visão interessante da psique e das emoções de Jacó durante esses momentos que são importantes para nós entendermos.

Está escrito no Midrash que Jacó não quer fazer isso, e que ele é forçado a fazê-lo. Está escrito também que ele está se preparando para entrar no quarto de seu pai, curvado, completamente arrasado e chorando. Então, como Jacó está se preparando para receber o que é provavelmente a maior Luz revelada neste mundo, como ele faz isso? Forçado, curvado, completamente devastado e chorando. Quando ele entra na sala, seu pai sente que algo está errado por muitas razões: Isaque tem o cheiro do Jardim do Éden, mas ele sabe que Esaú não está conectado ao Jardim do Éden, e ouve Jacó usar os nomes que se referem ao Criador, mas sabe que Esaú não está conectado à Luz do Criador. Portanto, ele diz a Jacó: "Eu quero sentir você. Quero ver se você é realmente meu filho Esaú".

Jacó está chorando tanto que as lágrimas estão caindo em seus quadris e coxas, e está escrito que seu coração está tão frágil quanto cera. Ele está tão aflito e triste que não consegue sequer se mover. Então o Criador envia dois anjos para apoiá-lo e levá-lo para perto de Isaque, já que ele não consegue ir por conta própria. Jacó perdeu o poder sobre seu corpo, e esses dois anjos o estão segurando; esse é o segredo do versículo em Isaías: "Não desista, porque o Criador está lá para apoiá-lo".

Mas por que o Criador está fazendo tudo isso? Pobre Jacó – não há formas mais fáceis para ele atrair toda essa Luz? A resposta, e isso é imprescindível para entender, é que a única maneira de Jacó merecer as grandes dádivas de Isaque é se ele estiver completamente arrasado. Somente quando Jacó não sentiu nada de si mesmo, nem pensamentos, mérito ou capacidade própria, as bênçãos vieram. A única maneira de Jacó – ou de qualquer pessoa – despertar aquela grande Luz e atrair essas bênçãos foi sendo muito vazio, como ocorreu naquele momento.

Até o Fim da Correção, o fim da dor, do sofrimento e da morte neste mundo, toda a Luz da elevação e da revelação vem desse momento da época de Jacó. E somente porque Jacó estava tão carente e vazio que ele foi capaz de atrair essa Luz para si e para o mundo. Aprendemos com isso, portanto, algo extremamente importante: se queremos ter uma grande Luz e receber as maiores bênçãos, precisamos nos sentir desprovidos de mérito, como Jacó fez. Temos que ter, como o Midrash nos diz, um coração tão frágil quanto a cera, de modo que estejamos tão vazios que nem podemos nos mover e precisamos dos anjos para nos apoiar.

 

→ clique aqui para ler outros artigos de Michael Berg