Rav Shimon

O Primeiro Século.

Uma época de holocausto.

O Império Romano ocupou a Terra de Israel, e as ruas foram banhadas de sangue.

Os Romanos iniciaram uma intensa repressão sobre as atividades espirituais dos Israelitas. O mais grandioso sábio da era – um homem que poderia ser chamado de o Pai do Mundo – foi sentenciado à morte.

O nome dele, Rav Akiva.

Seu crime, o amor de Deus.

Milhares reunidos nas ruas para testemunhar a implacável execução. A pele de Akiva fora brutalmente arrancada do seu corpo com pentes de ferro afiados como o fio de navalha. A sombra da morte o consumiu ao passo que era imoralmente desapressado.

Contudo o místico Akiva dominou o mundo físico. Ele enfrentou dolorosa dor apenas por um instante antes do êxtase da energia espiritual preenchesse todo o seu ser; ele deixou este mundo com incontável alegria em seu coração.

Ele deixou para trás seu discípulo mais querido, um homem que poderia se tornar o maior kabalista da história, um gigante entre os místicos: o reverenciado sábio Rav Shimon bar Yochai.

O Império Romano temia o poderoso Yochai ainda mais que Akiva. Assim, outra sentença de morte foi entregue. O procurado refúgio místico em uma caverna isolada em Piquin, Israel com seu filho. Por 13 longos anos, eles foram forçados a se esconderem do exército de César.

Buscando obter o mesmo controle sobre o reino material como seu grande professor, Rav Shimon se enterrou no solo, até o pescoço, cada dia de sua reclusão. Durante estes longos anos de doloroso isolamento, ele recebeu instruções sobre as artes místicas da Kabbalah. Seus professores foram Moisés e Elias o profeta.

Quando a liderança do Império Romano mudou de mãos, Rav Shimon e seu filho estavam livres para regressar à Jerusalém. Os anos de pressão intensa da terra haviam marcado e esmagado o corpo místico. Porém, a Luz espiritual que irradiava de sua alma tornara difícil para homens ordinários suportarem sua presença.

Para proteger os segredos do universe que foram revelados à ele, Rav Shimon chamou um estudante - Rav Abba - para se comprometer a transpor seus ensinamentos para a palavra escrita. Abba tinha uma dádiva extraordinária para escrever na linguagem abstrata da metáfora e da parábola. Assim, os segredos estariam a salvo, habilmente ocultado dentro de histórias tortuosas, tornando difícil para os perversos e indignos entenderem e usarem indevidamente esse poder milenar.

O zoharAssim o Zohar, o trabalho espiritual definitivo da Kabbalah, havia nascido. Até os dias de hoje, o Zohar ("Livro do Esplendor") é reconhecido como o trabalho definitivo e autoritário na sabedoria Kabalística.

O manuscrito foi considerado um trabalho de misticismo e mágica pelas pessoas da geração.

Em retrospectiva, a razão era óbvia.

The Zohar expôs ideias e conceitos que estavam séculos a frente do tempo deles. Em uma era onde a ciência determinava que o mundo era plano, o Zohar retratava nosso planeta como esférico, com pessoas vivenciando dias e noites ao mesmo tempo, em diferentes fusos horários.

O Zohar descreve o momento da criação como uma explosão semelhante ao Big Bang. Ele fala do universo que existe em dez dimensões. Ele explora a noção de universos paralelos.

Estas especulações foram consideradas heréticas e assustadoras. Ainda, elas não eram o que surgia de mais fantástico no Zohar. Esta designação pertence à próxima ideia...

Rav Shimon disse que o Zohar é mais que um livro de segredos e sabedoria espiritual.

Este tratado místico é um poderoso instrumento doador de energia, uma ferramenta salva-vidas imbuída com o poder de trazer paz genuína, proteção, cura, e plenitude aos que o possuem.

Há ainda mais.

Como o monólito no filme 2001: Uma Odisseia no Espaço, o Zohar pode despertar a alma de uma geração, provocando profunda mudança e transformação dentro da consciência do homem e sociedade.

Em outras palavras, assim como uma lâmpada ilumina um quarto escuro, revelando objetos antes não vistos, a Luz espiritual do Zohar pode esclarecer as mentes dos homens aos mistérios escondidos do cosmos.

De acordo com o kabalista, estas influências invisíveis podem afinal auxiliar a modelar o destino da humanidade, como a presença do Zohar gradualmente ampliada em nosso mundo.

O grande sábio Yochai declarou que chegaria o dia em que mesmo uma criança de 6 anos mergulhará na sabedoria espiritual da Kabbalah. Contudo, até que esse momento chegue, os manuscritos originais do Zohar deveriam permanecer escondidos.

Eles foram então escondidos por séculos.

O escurecimento da Luz espiritual do Zohar coincidiu com os Tempos Escuros, um período onde cada aspecto da civilização – incluindo educação, ciência, e comunicações – estava em grave retrocesso