Proteção contra dúvidas | por Michael Berg

Há uma seção no Midrash que eu acredito ser um pensamento e uma força motriz do Shabat Yitro: O Criador diz a Moisés, com relação a seu sogro Jetro, ou Yitro: "Minha Essência é sempre levar adiante, trazer para perto e nunca afastar".

Compreendemos a partir disso que, na porção Yitro, o Criador nos aproxima dele. No entanto, para que isso aconteça, temos que implorar, e a razão pela qual temos que implorar é importante. Do lado oposto do Criador nos atraindo, está a força de Amalek, a força da dúvida e da incerteza, a força que nos empurra para longe do Criador. Amalek é quando os pensamentos de "eu não quero sequer me conectar" vêm à nossa mente. A única maneira de neutralizar tais pensamentos é primeiro entender o que Amalek é e, então, especialmente no Shabat Yitro, quando a essência da Luz do Criador está nos trazendo para perto, implorar por essa proximidade.

E a razão pela qual temos que implorar é porque essa ação indica que estamos lutando por essa proximidade. O maior perigo espiritual que enfrentamos não é nossa batalha pela conexão, porque se estamos lutando, então já estamos no caminho espiritual; ao contrário, o maior perigo que enfrentamos é a falta de desejo de lutar. É a decisão que Adão e Eva fizeram quando foram expulsos do Jardim do Éden e disseram: "Nós não queremos voltar"; e que a tribo de Dan fez quando eles estavam viajando com os israelitas e decidiram: "nós não queremos mais fazer parte desse escudo protetor".

Eles tomaram essas decisões por causa da força de Amalek, as dúvidas que surgiram em suas mentes. Portanto, precisamos entender que o maior perigo que enfrentamos quando acordamos todas as manhãs não é que vamos lutar para nos conectar, como quando estamos cansados, mas ainda desejamos tentar, por exemplo, mas quando nem sequer queremos tentar.

Quando temos uma batalha de consciência, ainda estamos conectados, enquanto a força de Amalek se apresenta quando decidimos que não queremos mais lutar por isso. E isso poderia acontecer em um momento ou em um dia, em pequenas coisas ou em grandes coisas. Essa é a batalha real, e no Shabat Yitro, podemos receber o verdadeiro antídoto para ela, implorando ao Criador que nos aproxime dEle. No entanto, para isso, precisamos entender que o perigo de Amalek não é a batalha.

O perigo de Amalek é quando sua força de dúvida se infiltrou em nossa consciência e nós decidimos que não queremos nem mesmo tentar nos conectar. É assustador, porque olhe para Adão e Eva e a tribo de Dan: eles tinham sido pessoas espirituais, fazendo o trabalho espiritual, mas então Amalek entrou em sua consciência e eles deixaram o Jardim do Éden, e os israelitas, respectivamente, e o pensamento veio para eles de forma que eles não quiseram sequer voltar.

Isso nos ensina, portanto, que mesmo que façamos o trabalho espiritual, Amalek ainda pode penetrar. Porque enquanto estivermos fazendo o trabalho espiritual, mas permanecendo em nossas zonas de conforto, ainda assim poderão surgir dúvidas. Quando o que estamos vivendo, mesmo que seja espiritual, está no campo de nossa natureza, não temos sustentabilidade espiritual, e qualquer coisa pode acontecer e nos levar a perdê-la completamente. Mas se nos forçarmos a sair de nossa natureza e de nossa zona conforto, então estamos protegidos.

Assim, aprendemos que a proteção contra Amalek é dupla: temos que implorar ao Criador que nos traga para perto, bem como continuar a nos empurrar para fora de nossa natureza ao fazer nosso trabalho espiritual. E, no Shabat Yitro, a Luz dos braços do Criador está aberta para nós; se pedirmos, podemos receber tanto o dom do Criador de nos aproximar, de modo que Amalek não possa entrar em nossa consciência, quanto de nos dar força para nos impulsionar em nosso trabalho espiritual.

 

→ clique aqui para ler outros artigos de Michael Berg

 

Há uma seção no Midrash que eu acredito ser um pensamento e uma força motriz do Shabat Yitro: O Criador diz a Moisés, com relação a seu sogro Jetro, ou Yitro: "Minha Essência é sempre levar adiante, trazer para perto e nunca afastar".

Compreendemos a partir disso que, na porção Yitro, o Criador nos aproxima dele. No entanto, para que isso aconteça, temos que implorar, e a razão pela qual temos que implorar é importante. Do lado oposto do Criador nos atraindo, está a força de Amalek, a força da dúvida e da incerteza, a força que nos empurra para longe do Criador. Amalek é quando os pensamentos de "eu não quero sequer me conectar" vêm à nossa mente. A única maneira de neutralizar tais pensamentos é primeiro entender o que Amalek é e, então, especialmente no Shabat Yitro, quando a essência da Luz do Criador está nos trazendo para perto, implorar por essa proximidade.

E a razão pela qual temos que implorar é porque essa ação indica que estamos lutando por essa proximidade. O maior perigo espiritual que enfrentamos não é nossa batalha pela conexão, porque se estamos lutando, então já estamos no caminho espiritual; ao contrário, o maior perigo que enfrentamos é a falta de desejo de lutar. É a decisão que Adão e Eva fizeram quando foram expulsos do Jardim do Éden e disseram: "Nós não queremos voltar"; e que a tribo de Dan fez quando eles estavam viajando com os israelitas e decidiram: "nós não queremos mais fazer parte desse escudo protetor".

Eles tomaram essas decisões por causa da força de Amalek, as dúvidas que surgiram em suas mentes. Portanto, precisamos entender que o maior perigo que enfrentamos quando acordamos todas as manhãs não é que vamos lutar para nos conectar, como quando estamos cansados, mas ainda desejamos tentar, por exemplo, mas quando nem sequer queremos tentar.

Quando temos uma batalha de consciência, ainda estamos conectados, enquanto a força de Amalek se apresenta quando decidimos que não queremos mais lutar por isso. E isso poderia acontecer em um momento ou em um dia, em pequenas coisas ou em grandes coisas. Essa é a batalha real, e no Shabat Yitro, podemos receber o verdadeiro antídoto para ela, implorando ao Criador que nos aproxime dEle. No entanto, para isso, precisamos entender que o perigo de Amalek não é a batalha.

O perigo de Amalek é quando sua força de dúvida se infiltrou em nossa consciência e nós decidimos que não queremos nem mesmo tentar nos conectar. É assustador, porque olhe para Adão e Eva e a tribo de Dan: eles tinham sido pessoas espirituais, fazendo o trabalho espiritual, mas então Amalek entrou em sua consciência e eles deixaram o Jardim do Éden, e os israelitas, respectivamente, e o pensamento veio para eles de forma que eles não quiseram sequer voltar.

Isso nos ensina, portanto, que mesmo que façamos o trabalho espiritual, Amalek ainda pode penetrar. Porque enquanto estivermos fazendo o trabalho espiritual, mas permanecendo em nossas zonas de conforto, ainda assim poderão surgir dúvidas. Quando o que estamos vivendo, mesmo que seja espiritual, está no campo de nossa natureza, não temos sustentabilidade espiritual, e qualquer coisa pode acontecer e nos levar a perdê-la completamente. Mas se nos forçarmos a sair de nossa natureza e de nossa zona conforto, então estamos protegidos.

Assim, aprendemos que a proteção contra Amalek é dupla: temos que implorar ao Criador que nos traga para perto, bem como continuar a nos empurrar para fora de nossa natureza ao fazer nosso trabalho espiritual. E, no Shabat Yitro, a Luz dos braços do Criador está aberta para nós; se pedirmos, podemos receber tanto o dom do Criador de nos aproximar, de modo que Amalek não possa entrar em nossa consciência, quanto de nos dar força para nos impulsionar em nosso trabalho espiritual.

 

→ clique aqui para ler outros artigos de Michael Berg