Mensagem para Pessach 2017 | Karen e Michael Berg

MENSAGEM DA KAREN BERG

O Ari explica que, antes de qualquer grande Luz poder ser revelada, é necessário primeiro descer ao estado mais humilde. Esta é a razão pela qual os Israelitas tiveram de ir ao Egito. Foi a sua providência. O que é esse lugar chamado Egito? É uma representação do desejo de receber somente para si mesmo. Devemos ter um desejo para que possamos utilizá-lo para escolher a Luz. Como humanidade, nossa missão é criar uma ponte das trevas deste mundo à Luz do Criador - por meio da nossa vontade. Como um sistema de sucção, nosso querer traz a luz do Mundo Superior - a casa do Criador - para este mundo, nosso lugar de existência, para que possamos ser a causa da iluminação nesta dimensão que não possui luz própria. Como sabemos, a Luz do Criador é subjugada, excluída, trancada desta realidade, até o momento em que “destrancarmos o cadeado” com nossa consciência.

No entanto, há um perigo nisso. Pois o vazio deste nível mundano de realidade às vezes pode fazer com que nossos desejos se desviem e, ao invés de ser a causa, nos tornamos, como os israelitas, cativos de tudo o que desejamos.

O Criador sabia, então, como agora, que terminaria em fracasso a remoção do Desejo de Receber da humanidade, se não recebêssemos a ajuda Divina. Com isso em mente, o Criador fez uma abertura na estrutura espiritual do universo - por 24 horas - permitindo que a Luz interminável ingressasse em nosso mundo sem nenhum esforço necessário de nossa parte. Aparecendo em pleno resplendor, imbuindo nossas almas, fortalecendo nossa determinação, dando-nos a força para restringir, e usar nosso desejo para atrair Luz, não seus muitos impostores. Não só neste dia, mas para o resto do ano por vir.

No dia 15 de Nissan, o Criador é revelado na totalidade e integridade, abraçando a humanidade com Luz espiritual. Esta é a festa de Pessach. Como diz o Hagadá: "naquela noite passarei pela terra do Egito. Eu e não um anjo; Eu e não um Serafim; Eu e não um adjunto. Eu sou Deus. Eu e nenhum outro."

Por que essa revelação era diferente de qualquer outra? Porque foi essa totalidade de Luz que foi necessária não só para tirar os israelitas do Egito, mas para extrair o Egito de dentro de cada israelita.

Usando a tecnologia que é o Seder , em todos os seus quinze degraus, a matzah, o vinho e claro, as histórias contadas no Hagadá, experimentamos, como a Escritura nos diz, a revelação total da Luz, e a liberdade de nossos desejos egoístas, na medida que o Egito é removido de nós.

Está escrito que na noite de Pessach todos os que habitam nos céus e todos os que habitam na terra se reúnem para experimentar o Criador.

Michael e eu convidamos você para se juntar a nós para uma das conexões mais belas que podemos experimentar em todo o ano.

Com amor,

Karen Berg


MENSAGEM DO MICHAEL BERG

O Rav sempre nos lembrava, e ele era muito taxativo sobre o fato de que todas as festividades - e especialmente Pessach - não são simplesmente um tempo para nos reunirmos com nossas famílias, nem um tempo para celebrarmos a história ou a   tradição. Um dos maiores presentes do estudo da Kabbalah é que nos revela não só qual Luz única e bênçãos estão disponíveis em diferentes épocas do ano, mas também como se conectar a essa Luz. E, como sempre, começa com a consciência.

Pessach é a única época do ano em que a totalidade da Luz do Criador é revelada no mundo sem qualquer limite. Diferente de qualquer outra época do ano, em Pessach, esta grande Luz é revelada, independentemente de alguém merecê-la ou não. É um presente gratuito. Mas é claro que mais da Luz é revelada dependendo da consciência e da clareza de cada um em sua revelação. O propósito principal da revelação é libertar-nos das garras do lado negativo.

Simplificando, não há escuridão, negatividade e caos que a Luz do Criador - revelada durante o tempo de Pessach - não possa nos libertar.

Há muito mais que pode ser dito, e muito mais é revelado pelos kabbalistas, mas peço-lhe para parar um momento e pensar sobre a declaração anterior. Se aceitamos e compreendemos o presente de Pessach então podemos começar a compreender verdadeiramente a preciosidade deste tempo e como cuidadosamente precisamos pensar sobre o que fazemos e qual o estado de consciência que temos durante esta festividade.

Se entendermos que há apenas uma vez no ano em que o Criador abre todos os portões, independentemente de quem somos, então vamos nos certificar de estarmos preparados e fazermos essa conexão.

Rav Brandwein, o professor do Rav, ao explicar essa idéia, a compara com dois homens que estão discutindo sobre a propriedade de uma galinha. Finalmente, depois de muito vai e volta, um homem diz ao outro: "Vamos deixar a galinha vagar livre, e a quem ela se aproximar será seu verdadeiro e legítimo dono." Assim também, em Pessach, o Criador diz: Deixe-me enviar uma quantidade tremenda de Luz para cada indivíduo, libertando-os das garras do lado negativo, e então vamos ver com quem eles se conectam. É disso o que Pessach se trata.

A Luz nos liberta e nos dá a habilidade de escolher nossa conexão com a Luz do Criador.

É verdade que, sendo um presente gratuito, precisaremos merecer de novo essa Luz, mas o que acontece em Pessach é que estamos libertos de toda negatividade. E se nós fazemos a conexão em Pessach podemos nos manter nessa liberdade - da dor, do sofrimento, do medo, mesmo da morte - merecendo-a e trazendo-a em sua totalidade em nossas vidas.

Esse é o segredo de Pessach.

O Rav muitas vezes falava sobre o fato de que, porque os portões estão abertos em Pessach, eles estão realmente abertos para todos nós pegarmos Luz ilimitada. O Rav usaria o exemplo: os portões do banco estão abertos, e somente uma pessoa tola não iria correr lá e pegaria o quanto pudesse.

Isso me lembra uma história que os kabbalistas costumam contar  sobre um homem que vai até seu amigo e pede emprestado uma grande soma de dinheiro. E o amigo diz: "Claro, venha até mim amanhã. Encontrarei você no banco e lhe darei o dinheiro. O dia seguinte passa, contudo o homem não encontra seu amigo para obter o empréstimo. Naquela noite, o homem vai novamente à casa de seu amigo e repete seu pedido. O amigo diz: "Claro, eu lhe disse ontem que vou te ajudar. Encontre-me amanhã no banco e eu lhe darei qualquer dinheiro que você precisar. " E novamente, no dia seguinte o homem não aparece. E ele continua reclamando, "Porque meu amigo não me dá o dinheiro?" Mas ele nunca aparece no banco para recebê-lo.

Isso, infelizmente, é o que muitas vezes acontece durante Pessach.

Vamos até o Criador, dizemos que nos dê a Luz, nos dê liberdade, nos dê a remoção das trevas, da dor e do sofrimento. E o Criador diz: Estou pronto. Venha a mim na noite de Pessach e eu lhe darei toda essa Luz.

Essa é a consciência com a qual precisamos ir ao Pessach. E portanto, especialmente neste ano, se você está se juntando a nós em Los Angeles ou se conectando em qualquer dos outros Centros, a consciência mais importante é entender e pedir e, portanto, receber essa grande liberdade. Não somente para nós mesmos ou para as nossas famílias ou para aqueles que nos rodeiam, mas todos nós ligados ao Centro e a essa consciência devemos pedir, desejar e preparar-nos para receber esta grande Luz de libertação de todo o caos para o mundo inteiro.

Que possamos ter o mérito este ano de ter a consciência elevada, ter o recipiente preparado para esta grande Luz, de modo que nossas vidas sejam verdadeiramente transformadas em liberdade das trevas para nós mesmos e para o mundo.

Chag sameach.

Michael Berg


Perguntas sobre o evento presencial em São Paulo?

Por favor ligue para 0800 772 32 72 ou email para suporte@kabbalah.com

Clique AQUI para para se inscrever nas conexões de Pessach

Transmissão online está disponível para inscrição