Permanecendo elevado: fechaduras, portas e salas | por Michael Berg

Em Rosh Hashaná, esperamos nos desligar dos aspectos mais negativos de nós mesmos, e em Yom Kipur temos a oportunidade e a capacidade de alcançar a união completa com a Luz do Criador. Embora nem sempre possamos estar tão conectados como estávamos nesses dias, toda essa incrível Luz continuará conosco pelo resto do ano. O trabalho a seguir é, portanto, entender que não podemos voltar para quem éramos antes – porque, nesse caso, voltamos  para o caos e a negatividade que existiam anteriormente. A fim de garantir a conexão, as bênçãos e a remoção da negatividade, devemos permanecer em uma consciência elevada.

Uma maneira de permanecer nesse local de elevação é através de um conceito que sempre achei verdadeiramente bonito. É de uma seção do Zohar explicada por Rav Ashlag, conhecida como "as fechaduras, as portas e as salas". Há momentos emocionantes em nossas vidas, em que sentimos que tudo está aberto para nós e como se estivéssemos entrando em uma sala – uma enorme sala cheia de felicidade e realização.

Depois, há momentos em que sentimos que nada está se abrindo para nós, como se todas as portas estivessem trancadas à nossa frente, e tudo está dando errado. Às vezes, num dia, sentimos todos os três – podemos nos sentir trancados, nos sentir abertos e, depois, sentir como se tivéssemos entrado em uma vasta sala.

Muitos de nós pensamos que essas três realidades são coisas completamente separadas: que, se nos defrontarmos com uma fechadura, deveremos nos afastar dela para procurar uma abertura num lugar diferente. No entanto, Rav Ashlag enfatiza a importância de entender que a fechadura não está num lugar diferente da abertura. A fechadura e a abertura não estão separadas: elas são, de fato, a mesma energia. Muitas vezes chegamos a lugares e situações difíceis em nossas vidas, lugares em que nos sentimos completamente bloqueados, e apenas queremos contorná-los ou encontrar uma maneira de sair deles. O que não entendemos, nesses momentos, é que todo bloqueio precisa se tornar uma abertura e que em cada bloqueio existe uma abertura. Somente na sala que foi aberta forçando aquela fechadura é que encontraremos bênçãos e Luz.

Rav Ashlag pede que lembremos destas palavras: "Nenhum bloqueio é o mesmo. Cada fechadura é única e perfeita para uma Luz específica que você precisa agora, que sua alma precisa agora, que sua vida precisa agora. Nenhum desafio é o mesmo. Nenhuma dúvida é a mesma. Todos são perfeitamente criados para serem transformados em uma abertura, para serem transformados em um portão". Viemos a este mundo não apenas para contornar obstáculos e desafios, mas para nos esforçarmos quando fica difícil.

Cada fechadura é criada exclusivamente para nos levar a uma abertura única, e cada um de nós recebe uma certa quantidade de aberturas que precisamos abrir em nossas vidas; uma vez que as abrimos, completamos o propósito para o qual nossa alma veio a este mundo. E em um nível mais profundo e global, toda vez que transformamos uma fechadura em uma abertura, damos aos outros a mesma capacidade, porque abrimos um quarto de Luz para a humanidade, não apenas para nós mesmos. Quando fazemos isso, cada uma dessas fechaduras se torna um portão da justiça, um portão pelo qual nós – e o mundo – podemos atravessar.

Quando aguardamos ansiosamente pela nossa vida depois de Rosh Hashaná e Yom Kipur, queremos lembrar esse conceito de fechaduras, portas e salas para manifestar verdadeiramente as bênçãos e conexões que recebemos. Ao iniciarmos o nosso novo ano, e ao longo dele, devemos nos lembrar de nunca evitar uma dúvida, desafio ou dificuldade, mas lutar contra isso e pedir à Luz a força necessária para fazê-lo.

→ clique aqui para ler outros artigos de Michael Berg

 

Em Rosh Hashaná, esperamos nos desligar dos aspectos mais negativos de nós mesmos, e em Yom Kipur temos a oportunidade e a capacidade de alcançar a união completa com a Luz do Criador. Embora nem sempre possamos estar tão conectados como estávamos nesses dias, toda essa incrível Luz continuará conosco pelo resto do ano. O trabalho a seguir é, portanto, entender que não podemos voltar para quem éramos antes – porque, nesse caso, voltamos  para o caos e a negatividade que existiam anteriormente. A fim de garantir a conexão, as bênçãos e a remoção da negatividade, devemos permanecer em uma consciência elevada.

Uma maneira de permanecer nesse local de elevação é através de um conceito que sempre achei verdadeiramente bonito. É de uma seção do Zohar explicada por Rav Ashlag, conhecida como "as fechaduras, as portas e as salas". Há momentos emocionantes em nossas vidas, em que sentimos que tudo está aberto para nós e como se estivéssemos entrando em uma sala – uma enorme sala cheia de felicidade e realização.

Depois, há momentos em que sentimos que nada está se abrindo para nós, como se todas as portas estivessem trancadas à nossa frente, e tudo está dando errado. Às vezes, num dia, sentimos todos os três – podemos nos sentir trancados, nos sentir abertos e, depois, sentir como se tivéssemos entrado em uma vasta sala.

Muitos de nós pensamos que essas três realidades são coisas completamente separadas: que, se nos defrontarmos com uma fechadura, deveremos nos afastar dela para procurar uma abertura num lugar diferente. No entanto, Rav Ashlag enfatiza a importância de entender que a fechadura não está num lugar diferente da abertura. A fechadura e a abertura não estão separadas: elas são, de fato, a mesma energia. Muitas vezes chegamos a lugares e situações difíceis em nossas vidas, lugares em que nos sentimos completamente bloqueados, e apenas queremos contorná-los ou encontrar uma maneira de sair deles. O que não entendemos, nesses momentos, é que todo bloqueio precisa se tornar uma abertura e que em cada bloqueio existe uma abertura. Somente na sala que foi aberta forçando aquela fechadura é que encontraremos bênçãos e Luz.

Rav Ashlag pede que lembremos destas palavras: "Nenhum bloqueio é o mesmo. Cada fechadura é única e perfeita para uma Luz específica que você precisa agora, que sua alma precisa agora, que sua vida precisa agora. Nenhum desafio é o mesmo. Nenhuma dúvida é a mesma. Todos são perfeitamente criados para serem transformados em uma abertura, para serem transformados em um portão". Viemos a este mundo não apenas para contornar obstáculos e desafios, mas para nos esforçarmos quando fica difícil.

Cada fechadura é criada exclusivamente para nos levar a uma abertura única, e cada um de nós recebe uma certa quantidade de aberturas que precisamos abrir em nossas vidas; uma vez que as abrimos, completamos o propósito para o qual nossa alma veio a este mundo. E em um nível mais profundo e global, toda vez que transformamos uma fechadura em uma abertura, damos aos outros a mesma capacidade, porque abrimos um quarto de Luz para a humanidade, não apenas para nós mesmos. Quando fazemos isso, cada uma dessas fechaduras se torna um portão da justiça, um portão pelo qual nós – e o mundo – podemos atravessar.

Quando aguardamos ansiosamente pela nossa vida depois de Rosh Hashaná e Yom Kipur, queremos lembrar esse conceito de fechaduras, portas e salas para manifestar verdadeiramente as bênçãos e conexões que recebemos. Ao iniciarmos o nosso novo ano, e ao longo dele, devemos nos lembrar de nunca evitar uma dúvida, desafio ou dificuldade, mas lutar contra isso e pedir à Luz a força necessária para fazê-lo.

→ clique aqui para ler outros artigos de Michael Berg