Ouvir a Sua Verdade | por Karen Berg

A vida nos oferece muitos caminhos. Não existe somente um caminho para a felicidade ou um caminho para o Criador.

Existem inúmeros caminhos para acreditar e se conectar com o divino. É por este motivo que acolho muitas modalidades de espiritualidade, para poder começar a incluir cada peça do quebra-cabeça e cada cor da tapeçaria da vida. É assim que chegamos a verdadeiramente incorporar a espiritualidade, que, em sua raiz, é o espírito de inclusão e unidade entre todas as pessoas. A espiritualidade inclui tudo e todos. Nosso caminho para o divino é único, pessoal e intransferível. Cada alma está retornando ao Criador de maneira especial. Quem somos nós para julgar este processo? Nós somos o Criador? Da mesma forma que não posso dizer para a rosa não ser vermelha ou para a violeta não ser roxa, não posso dizer a outra alma em quem ou em quê ela deve acreditar. Isto é espiritualidade: amar o Criador, amando e respeitando suas criações.

Não podemos dizer que amamos o Criador, mas não suas criações. Não podemos andar no caminho do outro. Devemos fazer o que é correto para nós. Internamente, cada um de nós tem uma bússola que nos guia em nosso caminho. É imperativo que ouçamos e honremos esta voz. A faísca do Criador está dentro de nós e ela fala conosco, nos guiando para revelar nossa própria Luz especial e propósito. Nesta semana, somos assistidos na conexão com nossa própria verdade interior. A verdade interna é iluminada.

Nossa porção esta semana é Shlach Lecha. Em Shlach Lecha, tendo partido para a Terra Prometida, Moisés pede aos líderes das 12 tribos para avançarem, “espioná-la” e voltar com um relatório. A Terra Prometida era uma terra utópica, rica em “leite e mel.” Entretanto, dez dos 12 espiões voltaram e deram falso testemunho sobre a terra. Eles relataram que ela era inabitável e repleta de inimigos. Os israelitas, infelizmente, acreditaram e choraram. Acreditaram no que outras pessoas disseram, ao invés daquilo que sabiam ser a verdade em seus corações. Acreditaram mais nas palavras dos dez líderes do que na de Moisés, no Criador, e em todos os milagres para os quais nasceram para testemunhar. O Criador e Moisés prometeram a eles sucesso e bondade e, em certo momento, os israelitas deixaram esta conexão por medo e dúvida.

Estes dez líderes que falaram falsamente sobre a Terra Prometida fizeram isso porque também estavam com medo. Estavam com medo de que, se todos chegassem à Terra Prometida, os israelitas poderiam alcançar maturidade espiritual total e, como resultado, eles, na condição de líderes, não seriam mais necessários ou não teriam poder. Esses espiões mentiram sobre a bondade que haveria à frente, impedindo que o povo recebesse sua recompensa, tudo porque eles se importaram em preservar seu próprio status e poder. Eles pensaram em si mesmos em primeiro lugar, e nos outros em segundo lugar. Pensar em nós mesmos apenas e esquecer dos outros somente traz escuridão para nossas vidas. Por causa desse falso discurso e porque os israelitas acreditaram nele, aquela geração não teria permissão para entrar na Terra Prometida. Somente a geração seguinte entraria.

Os israelitas escolheram acreditar nas vozes de fora. Eles escolheram ir contra aquilo que sabiam ser verdadeiro para eles e acreditaram no discurso falso. Essa questão está realmente no coração de nossa jornada espiritual. Todos os dias, precisamos de coragem suficiente para nos comprometermos com a sabedoria do nosso coração, nossa Luz interior, e nosso caminho único e individual. Quantas vezes nós dissemos a nós mesmos: “Eu bem que sabia o que fazer, mas por quê eu fiz a escolha que fiz?”.

O mundo estará sempre cheio de distrações projetadas para nos tirar da nossa verdade e destino. Muitas vezes consentimos com os medos e julgamentos dos outros, permitindo que eles moldem o que nós sentimos e acreditamos. A história dos israelitas nos ensina sobre os desafios em nosso caminho espiritual. Ficamos muitas vezes também temerosos em doar, preocupados que não teremos o suficiente. Somos tentados a pegar o caminho mais fácil, a pensar somente em nós mesmos para seguir em frente. Nesta semana, ganhamos o poder de nos elevar acima desses discursos falsos. Somos presenteados com a habilidade inestimável de ouvir nossa voz interior e de seguir o chamado da nossa alma. Pois embora possamos ser diferentes em nossos muitos caminhos ao Divino, somos unidos no desejo de nossa alma, que é sempre de compartilhar.

Nesta semana, a lua cheia aparece no céu. Em sua meditação, permita que esta  Luz poderosa e equilibrada revele a você seu caminho singular. Você consegue ver que, quando se importar com as necessidades dos outros e se tornar um ser que doa, você de fato vai ganhar no final e alcançar sua Terra Prometida. Peça ao Criador para guiá-lo para ouvir sua própria verdade e peça a ajuda em permitir que sua divindade interior brilhe. Peça para ser protegido de pensamentos de medo e dúvida e, ao invés disso, conecte-se somente aos pensamentos de positividade e amor.

O externo pode nos contar um discurso falso, afastando-nos de pensar nos outros, mas isto é apenas projetado para nos afastar de nos tornarmos tudo aquilo que somos destinados a ser. Sua própria verdade é seu caminho para a grandeza. É quando estamos dispostos a ficar livres das distrações à nossa volta que seremos capazes de descobrir os tesouros mais poderosos dentro de nós. Cada um de nós tem um caminho único, especial e verdadeiro nesta vida. Caso sejamos capazes de escutá-lo, e então, nos dispormos a agir sobre ele, teremos o mérito de nos conectar com nosso mais verdadeiro propósito e nossa mais verdadeira alegria aqui na Terra.
 

→ clique aqui para ler outros artigos de Karen Berg
 

A vida nos oferece muitos caminhos. Não existe somente um caminho para a felicidade ou um caminho para o Criador.

Existem inúmeros caminhos para acreditar e se conectar com o divino. É por este motivo que acolho muitas modalidades de espiritualidade, para poder começar a incluir cada peça do quebra-cabeça e cada cor da tapeçaria da vida. É assim que chegamos a verdadeiramente incorporar a espiritualidade, que, em sua raiz, é o espírito de inclusão e unidade entre todas as pessoas. A espiritualidade inclui tudo e todos. Nosso caminho para o divino é único, pessoal e intransferível. Cada alma está retornando ao Criador de maneira especial. Quem somos nós para julgar este processo? Nós somos o Criador? Da mesma forma que não posso dizer para a rosa não ser vermelha ou para a violeta não ser roxa, não posso dizer a outra alma em quem ou em quê ela deve acreditar. Isto é espiritualidade: amar o Criador, amando e respeitando suas criações.

Não podemos dizer que amamos o Criador, mas não suas criações. Não podemos andar no caminho do outro. Devemos fazer o que é correto para nós. Internamente, cada um de nós tem uma bússola que nos guia em nosso caminho. É imperativo que ouçamos e honremos esta voz. A faísca do Criador está dentro de nós e ela fala conosco, nos guiando para revelar nossa própria Luz especial e propósito. Nesta semana, somos assistidos na conexão com nossa própria verdade interior. A verdade interna é iluminada.

Nossa porção esta semana é Shlach Lecha. Em Shlach Lecha, tendo partido para a Terra Prometida, Moisés pede aos líderes das 12 tribos para avançarem, “espioná-la” e voltar com um relatório. A Terra Prometida era uma terra utópica, rica em “leite e mel.” Entretanto, dez dos 12 espiões voltaram e deram falso testemunho sobre a terra. Eles relataram que ela era inabitável e repleta de inimigos. Os israelitas, infelizmente, acreditaram e choraram. Acreditaram no que outras pessoas disseram, ao invés daquilo que sabiam ser a verdade em seus corações. Acreditaram mais nas palavras dos dez líderes do que na de Moisés, no Criador, e em todos os milagres para os quais nasceram para testemunhar. O Criador e Moisés prometeram a eles sucesso e bondade e, em certo momento, os israelitas deixaram esta conexão por medo e dúvida.

Estes dez líderes que falaram falsamente sobre a Terra Prometida fizeram isso porque também estavam com medo. Estavam com medo de que, se todos chegassem à Terra Prometida, os israelitas poderiam alcançar maturidade espiritual total e, como resultado, eles, na condição de líderes, não seriam mais necessários ou não teriam poder. Esses espiões mentiram sobre a bondade que haveria à frente, impedindo que o povo recebesse sua recompensa, tudo porque eles se importaram em preservar seu próprio status e poder. Eles pensaram em si mesmos em primeiro lugar, e nos outros em segundo lugar. Pensar em nós mesmos apenas e esquecer dos outros somente traz escuridão para nossas vidas. Por causa desse falso discurso e porque os israelitas acreditaram nele, aquela geração não teria permissão para entrar na Terra Prometida. Somente a geração seguinte entraria.

Os israelitas escolheram acreditar nas vozes de fora. Eles escolheram ir contra aquilo que sabiam ser verdadeiro para eles e acreditaram no discurso falso. Essa questão está realmente no coração de nossa jornada espiritual. Todos os dias, precisamos de coragem suficiente para nos comprometermos com a sabedoria do nosso coração, nossa Luz interior, e nosso caminho único e individual. Quantas vezes nós dissemos a nós mesmos: “Eu bem que sabia o que fazer, mas por quê eu fiz a escolha que fiz?”.

O mundo estará sempre cheio de distrações projetadas para nos tirar da nossa verdade e destino. Muitas vezes consentimos com os medos e julgamentos dos outros, permitindo que eles moldem o que nós sentimos e acreditamos. A história dos israelitas nos ensina sobre os desafios em nosso caminho espiritual. Ficamos muitas vezes também temerosos em doar, preocupados que não teremos o suficiente. Somos tentados a pegar o caminho mais fácil, a pensar somente em nós mesmos para seguir em frente. Nesta semana, ganhamos o poder de nos elevar acima desses discursos falsos. Somos presenteados com a habilidade inestimável de ouvir nossa voz interior e de seguir o chamado da nossa alma. Pois embora possamos ser diferentes em nossos muitos caminhos ao Divino, somos unidos no desejo de nossa alma, que é sempre de compartilhar.

Nesta semana, a lua cheia aparece no céu. Em sua meditação, permita que esta  Luz poderosa e equilibrada revele a você seu caminho singular. Você consegue ver que, quando se importar com as necessidades dos outros e se tornar um ser que doa, você de fato vai ganhar no final e alcançar sua Terra Prometida. Peça ao Criador para guiá-lo para ouvir sua própria verdade e peça a ajuda em permitir que sua divindade interior brilhe. Peça para ser protegido de pensamentos de medo e dúvida e, ao invés disso, conecte-se somente aos pensamentos de positividade e amor.

O externo pode nos contar um discurso falso, afastando-nos de pensar nos outros, mas isto é apenas projetado para nos afastar de nos tornarmos tudo aquilo que somos destinados a ser. Sua própria verdade é seu caminho para a grandeza. É quando estamos dispostos a ficar livres das distrações à nossa volta que seremos capazes de descobrir os tesouros mais poderosos dentro de nós. Cada um de nós tem um caminho único, especial e verdadeiro nesta vida. Caso sejamos capazes de escutá-lo, e então, nos dispormos a agir sobre ele, teremos o mérito de nos conectar com nosso mais verdadeiro propósito e nossa mais verdadeira alegria aqui na Terra.
 

→ clique aqui para ler outros artigos de Karen Berg