Os óculos que escolhemos para ver o mundo | por Michael Berg

A porção de Re'eh começa assim: "Eis que hoje ponho diante de ti uma bênção e uma maldição". Aqui, a Torah não está simplesmente falando sobre o tempo em que Moisés estava no deserto com os israelitas: também está falando sobre nós agora. Os sábios ensinam que, desde o tempo da queda de Adão até o Gemar HaTikun, a Correção Final, tudo neste mundo – todas as situações, tudo o que olhamos e todas as pessoas – é uma mistura de bem e mal, positivo e negativo.

É nossa escolha, no entanto, para o que olhamos e com o que nos conectamos. Podemos pensar, por exemplo, que somos uma boa pessoa que está simplesmente vendo o negativo em outra pessoa, mas não é bem assim. O que realmente estamos fazendo é uma conexão com a escuridão dentro dessa pessoa. Da mesma forma, quando escolhemos ver a negatividade em algo ou alguma situação, estamos nos conectando à escuridão dentro dessa coisa ou situação.

A realidade é que, num dado momento, quando olhamos para alguém ou qualquer coisa, temos a opção de nos conectarmos ao positivo ou ao negativo, e é importante entendermos que a escolha que fazemos é onde nossa conexão estará. Cada um de nós é uma mistura de Luz e escuridão, e quando sucumbimos às demandas de nossa negatividade e nos concentramos nas trevas dentro de outra pessoa, fazemos uma união perfeita entre nossa escuridão e a da outra pessoa.

Por outro lado, quando vemos o bem dentro de alguém, despertamos nossa Luz e nos conectamos à Luz da outra pessoa. Essa é uma via de mão dupla. Infelizmente, a maioria de nós pensa que, quando julgamos alguém ou algo, é uma via de mão única: sou bom e estou vendo o que é ruim. Não. Temos que deixar claro que em absolutamente tudo, a qualquer momento, quando vemos o positivo ou o negativo, é o que despertamos dentro de nós mesmos.

Essa visão poderosa é diferente da maneira como a maioria de nós vê as pessoas e o mundo ao nosso redor. Precisamos aprender a fortalecer nosso lado positivo e ganhar o controle sobre nossa negatividade, para que, quando olharmos para fora de nós mesmos, para uma pessoa ou uma situação, nos conectemos apenas ao positivo que existe ali.

É impossível que vejamos algo que não despertamos inicialmente em nós mesmos; o que vemos reflete o nível em que nossa consciência está. Se vemos a escuridão, isso nos indica que nossa negatividade está vendo a negatividade deles. Se estivéssemos nos conectando com a nossa positividade, não veríamos o que é negativo em outra pessoa ou numa determinada situação – não porque não está lá, mas porque não é com isso que estamos nos conectando.

O que vemos nos outros é a energia que é despertada dentro de nós mesmos. Moisés foi uma das maiores almas que já viveu, mas ele também tinha uma casca ao seu redor. Se alguém quisesse, poderia legitimamente ver todos os tipos de coisas negativas dentro dele. E, infelizmente, durante todo o tempo no deserto, muitos dos israelitas escolheram ver a escuridão. Mas o que esses israelitas estavam realmente vendo? Eles não estavam vendo a negatividade de Moisés: eles estavam despertando sua própria escuridão, e sua treva estava conectada à casca ao redor de Moisés que seria, então, vista como negativa.

A maneira como vemos o mundo e as pessoas ao nosso redor influencia o que irá acontecer em nossas vidas. Se optarmos por focar no bem dentro de uma pessoa, não apenas sobrecarregamos nossa negatividade com nossa positividade e nos conectamos e a outra pessoa à Luz do Criador, como também despertamos positividade dentro da outra pessoa. Portanto, a pergunta a ser feita é: qual é o fator dominante dentro de nós? Se estamos vendo o negativo, é porque nossa negatividade está nos dominando. Quando isso acontece, nós nos desconectamos e desconectamos a situação ou pessoa da Luz, criando separação.

Quando entendemos e detemos esse conceito incrível, temos a capacidade de transformar situações. Com as palavras: "Eis que ponho diante de vocês hoje uma bênção e uma maldição", o Criador nos diz para lembrar que em todo momento de cada dia, em todas as situações e em todas as pessoas que conhecemos, a Luz está colocando diante de nós não toda a positividade ou toda a escuridão, mas uma mistura de ambos.

Ao ver o bem nessa mistura, nós nos conectamos à sua Luz, despertando, assim, mais Luz. Quando escolhemos permitir que nossa positividade supere a escuridão, eliminamos o julgamento e a negatividade – e nos abrimos para receber bênçãos infinitas.
 

→ clique aqui para ler outros artigos de Michael Berg

 

A porção de Re'eh começa assim: "Eis que hoje ponho diante de ti uma bênção e uma maldição". Aqui, a Torah não está simplesmente falando sobre o tempo em que Moisés estava no deserto com os israelitas: também está falando sobre nós agora. Os sábios ensinam que, desde o tempo da queda de Adão até o Gemar HaTikun, a Correção Final, tudo neste mundo – todas as situações, tudo o que olhamos e todas as pessoas – é uma mistura de bem e mal, positivo e negativo.

É nossa escolha, no entanto, para o que olhamos e com o que nos conectamos. Podemos pensar, por exemplo, que somos uma boa pessoa que está simplesmente vendo o negativo em outra pessoa, mas não é bem assim. O que realmente estamos fazendo é uma conexão com a escuridão dentro dessa pessoa. Da mesma forma, quando escolhemos ver a negatividade em algo ou alguma situação, estamos nos conectando à escuridão dentro dessa coisa ou situação.

A realidade é que, num dado momento, quando olhamos para alguém ou qualquer coisa, temos a opção de nos conectarmos ao positivo ou ao negativo, e é importante entendermos que a escolha que fazemos é onde nossa conexão estará. Cada um de nós é uma mistura de Luz e escuridão, e quando sucumbimos às demandas de nossa negatividade e nos concentramos nas trevas dentro de outra pessoa, fazemos uma união perfeita entre nossa escuridão e a da outra pessoa.

Por outro lado, quando vemos o bem dentro de alguém, despertamos nossa Luz e nos conectamos à Luz da outra pessoa. Essa é uma via de mão dupla. Infelizmente, a maioria de nós pensa que, quando julgamos alguém ou algo, é uma via de mão única: sou bom e estou vendo o que é ruim. Não. Temos que deixar claro que em absolutamente tudo, a qualquer momento, quando vemos o positivo ou o negativo, é o que despertamos dentro de nós mesmos.

Essa visão poderosa é diferente da maneira como a maioria de nós vê as pessoas e o mundo ao nosso redor. Precisamos aprender a fortalecer nosso lado positivo e ganhar o controle sobre nossa negatividade, para que, quando olharmos para fora de nós mesmos, para uma pessoa ou uma situação, nos conectemos apenas ao positivo que existe ali.

É impossível que vejamos algo que não despertamos inicialmente em nós mesmos; o que vemos reflete o nível em que nossa consciência está. Se vemos a escuridão, isso nos indica que nossa negatividade está vendo a negatividade deles. Se estivéssemos nos conectando com a nossa positividade, não veríamos o que é negativo em outra pessoa ou numa determinada situação – não porque não está lá, mas porque não é com isso que estamos nos conectando.

O que vemos nos outros é a energia que é despertada dentro de nós mesmos. Moisés foi uma das maiores almas que já viveu, mas ele também tinha uma casca ao seu redor. Se alguém quisesse, poderia legitimamente ver todos os tipos de coisas negativas dentro dele. E, infelizmente, durante todo o tempo no deserto, muitos dos israelitas escolheram ver a escuridão. Mas o que esses israelitas estavam realmente vendo? Eles não estavam vendo a negatividade de Moisés: eles estavam despertando sua própria escuridão, e sua treva estava conectada à casca ao redor de Moisés que seria, então, vista como negativa.

A maneira como vemos o mundo e as pessoas ao nosso redor influencia o que irá acontecer em nossas vidas. Se optarmos por focar no bem dentro de uma pessoa, não apenas sobrecarregamos nossa negatividade com nossa positividade e nos conectamos e a outra pessoa à Luz do Criador, como também despertamos positividade dentro da outra pessoa. Portanto, a pergunta a ser feita é: qual é o fator dominante dentro de nós? Se estamos vendo o negativo, é porque nossa negatividade está nos dominando. Quando isso acontece, nós nos desconectamos e desconectamos a situação ou pessoa da Luz, criando separação.

Quando entendemos e detemos esse conceito incrível, temos a capacidade de transformar situações. Com as palavras: "Eis que ponho diante de vocês hoje uma bênção e uma maldição", o Criador nos diz para lembrar que em todo momento de cada dia, em todas as situações e em todas as pessoas que conhecemos, a Luz está colocando diante de nós não toda a positividade ou toda a escuridão, mas uma mistura de ambos.

Ao ver o bem nessa mistura, nós nos conectamos à sua Luz, despertando, assim, mais Luz. Quando escolhemos permitir que nossa positividade supere a escuridão, eliminamos o julgamento e a negatividade – e nos abrimos para receber bênçãos infinitas.
 

→ clique aqui para ler outros artigos de Michael Berg