Devido a pandemia global de covid-19 todas nossas aulas tem ocorrido online através da nossa plataforma EAD. Clique aqui para acessar.
Lembre-se que seu apoio é fundamental para a manutenção do Kabbalah Centre, principalmente neste momento. Se quiser ser parte de nossos projetos, doe aqui!

O Segredo do Leite e do Mel | Por Michael Berg

Na porção de Korach, que é o primeiro Shabat no mês de Câncer, ou Tamuz, este ano, os israelitas usam um argumento muito interessante para justificar sua raiva de Moisés. Eles dizem: "Moisés, você nos disse que nos traria para uma terra de leite e mel, e não está fazendo isso". Há muitas outras coisas que foram prometidas ou ditas sobre a terra de Israel, então por que eles escolhem especificamente essa acusação? Qual é o segredo do leite e do mel?

Os kabalistas ensinam que, entre todas as coisas que comemos ou bebemos, o leite e o mel são únicos, pois provêm de uma fonte que se pensaria não ser positiva. O ensinamento geral sobre isso é que quando comemos certos animais, temos a capacidade de elevar faíscas de Luz a partir deles. No entanto, as faíscas em alguns animais são tão ocultas que não poderíamos elevá-las e, como resultado, seriam realmente puxadas para baixo se as comêssemos. Portanto, existem certos animais que comemos e outros que não. Os animais que comemos têm aquelas faíscas de Luz das quais podemos ingerir e elevar.

Não comemos abelhas porque elas não têm faíscas de Luz puras ou elevadas o suficiente para podermos ingerir; no entanto, podemos comer o mel delas. E os kabalistas ensinam, e a ciência concorda, que o leite vem do sangue, o que significa que os nutrientes necessários para fazer o leite vêm do suprimento sanguíneo. No entanto, embora não possamos ingerir sangue, podemos ingerir leite. Portanto, esses dois – mel e leite – são únicos, pois sua fonte não é algo que é espiritualmente certo para nós comermos. Por que, então, é certo comê-los?

E ainda mais importante, por que sabemos que tudo de natureza física tem uma indicação de uma fonte espiritual, qual é o segredo dessas duas coisas?

Há uma seção muito famosa no Zohar, na Introdução depois que Rav Shimon Bar Yochai deixa este mundo, na qual Rav Chiya merece uma visita com Rav Shimon Bar Yochai e ver a alma do que chamamos Mashiach, e Rav Shimon Bar Yochai e a alma de Mashiach fazem um anúncio. Eles dizem que o indivíduo que é capaz de comer algo que é amargo, mas saboreá-lo como doce, tem a capacidade de transformar a escuridão em Luz e sabe que fazê-lo é o propósito da vida, portanto, estará conectado à Luz de Mashiach.

O real objetivo de nosso trabalho espiritual, aprendemos, não é simplesmente atrair mais Luz, mas realmente se tornar uma pessoa que tem a capacidade de transformar as trevas em Luz, de provar o que é amargo como sendo doce, como o leite e o mel. O trabalho do mês de Câncer é realmente esse trabalho.

Cada um dos doze meses tem uma combinação do Tetragrama, que é uma indicação de qual Luz está disponível e de qual é o trabalho desse mês. Câncer é o único mês que literalmente tem o Tetragrama ao contrário – Hei Vav Hei Yud. Os kabalistas ensinam que isso indica julgamento completo; completo porque você pega o que deve ser certo – o fluxo direto da Luz do Criador – e  inverte e muda completamente isso. O trabalho no mês de Câncer, portanto, não é atrair a Luz, mas transformar as trevas em Luz, a amargura em doçura. O trabalho é pegar o Hei Vav Hei Yud e transformá-lo em Yud Hei Vav Hei.

Então, vamos tornar isso prático. O que fazemos para transformar as trevas em Luz? Primeiro, o forte desejo físico por qualquer coisa é um aspecto que chamamos de escuridão, porque está tentando atrair nossa energia e faíscas de Luz para o físico. Mas em qualquer grau que uma pessoa seja capaz de resistir e combater esses desejos, ela estará transformando as trevas em Luz. E especificamente neste mês, não queremos ser atraídos pelos nossos desejos físicos.

Em segundo lugar, transformar as situações das trevas em Luz, tomando uma situação que pode ser Hei Vav Hei Yud e a transformando em Yud Hei Vav Hei. Fazemos isso nos momentos em que as coisas não acontecem do jeito que achamos que deveriam. É, então, que precisamos não apenas aceitar, mas ser felizes com o ocorrido, porque sabemos que é assim que o Criador quer que seja. Cada momento é exatamente como o Criador deseja que seja e, portanto, quando as coisas não estão indo do jeito que queremos ou pensamos que deveriam ser, aceitamos com completa alegria, lembrando que vêm do Criador.

Leite e mel são os dois indicadores, as duas fontes espirituais que nos ensinam esse conceito: pegando algo que não podemos elevar e o transformando em mel ou leite. Esse é o segredo de Mashiach, e esse é o segredo para qualquer um de nós que realmente quer fazer o trabalho para trazer uma mudança ao nosso mundo e transformar as trevas em Luz. Nosso trabalho não deve se concentrar em trazer a Luz, especialmente durante este mês de Câncer. Neste mês, nosso trabalho deve se concentrar em se tornar um indivíduo que tem o poder de transformar as trevas em luz.
 

→ clique aqui para ler outros artigos de Michael Berg

 

Na porção de Korach, que é o primeiro Shabat no mês de Câncer, ou Tamuz, este ano, os israelitas usam um argumento muito interessante para justificar sua raiva de Moisés. Eles dizem: "Moisés, você nos disse que nos traria para uma terra de leite e mel, e não está fazendo isso". Há muitas outras coisas que foram prometidas ou ditas sobre a terra de Israel, então por que eles escolhem especificamente essa acusação? Qual é o segredo do leite e do mel?

Os kabalistas ensinam que, entre todas as coisas que comemos ou bebemos, o leite e o mel são únicos, pois provêm de uma fonte que se pensaria não ser positiva. O ensinamento geral sobre isso é que quando comemos certos animais, temos a capacidade de elevar faíscas de Luz a partir deles. No entanto, as faíscas em alguns animais são tão ocultas que não poderíamos elevá-las e, como resultado, seriam realmente puxadas para baixo se as comêssemos. Portanto, existem certos animais que comemos e outros que não. Os animais que comemos têm aquelas faíscas de Luz das quais podemos ingerir e elevar.

Não comemos abelhas porque elas não têm faíscas de Luz puras ou elevadas o suficiente para podermos ingerir; no entanto, podemos comer o mel delas. E os kabalistas ensinam, e a ciência concorda, que o leite vem do sangue, o que significa que os nutrientes necessários para fazer o leite vêm do suprimento sanguíneo. No entanto, embora não possamos ingerir sangue, podemos ingerir leite. Portanto, esses dois – mel e leite – são únicos, pois sua fonte não é algo que é espiritualmente certo para nós comermos. Por que, então, é certo comê-los?

E ainda mais importante, por que sabemos que tudo de natureza física tem uma indicação de uma fonte espiritual, qual é o segredo dessas duas coisas?

Há uma seção muito famosa no Zohar, na Introdução depois que Rav Shimon Bar Yochai deixa este mundo, na qual Rav Chiya merece uma visita com Rav Shimon Bar Yochai e ver a alma do que chamamos Mashiach, e Rav Shimon Bar Yochai e a alma de Mashiach fazem um anúncio. Eles dizem que o indivíduo que é capaz de comer algo que é amargo, mas saboreá-lo como doce, tem a capacidade de transformar a escuridão em Luz e sabe que fazê-lo é o propósito da vida, portanto, estará conectado à Luz de Mashiach.

O real objetivo de nosso trabalho espiritual, aprendemos, não é simplesmente atrair mais Luz, mas realmente se tornar uma pessoa que tem a capacidade de transformar as trevas em Luz, de provar o que é amargo como sendo doce, como o leite e o mel. O trabalho do mês de Câncer é realmente esse trabalho.

Cada um dos doze meses tem uma combinação do Tetragrama, que é uma indicação de qual Luz está disponível e de qual é o trabalho desse mês. Câncer é o único mês que literalmente tem o Tetragrama ao contrário – Hei Vav Hei Yud. Os kabalistas ensinam que isso indica julgamento completo; completo porque você pega o que deve ser certo – o fluxo direto da Luz do Criador – e  inverte e muda completamente isso. O trabalho no mês de Câncer, portanto, não é atrair a Luz, mas transformar as trevas em Luz, a amargura em doçura. O trabalho é pegar o Hei Vav Hei Yud e transformá-lo em Yud Hei Vav Hei.

Então, vamos tornar isso prático. O que fazemos para transformar as trevas em Luz? Primeiro, o forte desejo físico por qualquer coisa é um aspecto que chamamos de escuridão, porque está tentando atrair nossa energia e faíscas de Luz para o físico. Mas em qualquer grau que uma pessoa seja capaz de resistir e combater esses desejos, ela estará transformando as trevas em Luz. E especificamente neste mês, não queremos ser atraídos pelos nossos desejos físicos.

Em segundo lugar, transformar as situações das trevas em Luz, tomando uma situação que pode ser Hei Vav Hei Yud e a transformando em Yud Hei Vav Hei. Fazemos isso nos momentos em que as coisas não acontecem do jeito que achamos que deveriam. É, então, que precisamos não apenas aceitar, mas ser felizes com o ocorrido, porque sabemos que é assim que o Criador quer que seja. Cada momento é exatamente como o Criador deseja que seja e, portanto, quando as coisas não estão indo do jeito que queremos ou pensamos que deveriam ser, aceitamos com completa alegria, lembrando que vêm do Criador.

Leite e mel são os dois indicadores, as duas fontes espirituais que nos ensinam esse conceito: pegando algo que não podemos elevar e o transformando em mel ou leite. Esse é o segredo de Mashiach, e esse é o segredo para qualquer um de nós que realmente quer fazer o trabalho para trazer uma mudança ao nosso mundo e transformar as trevas em Luz. Nosso trabalho não deve se concentrar em trazer a Luz, especialmente durante este mês de Câncer. Neste mês, nosso trabalho deve se concentrar em se tornar um indivíduo que tem o poder de transformar as trevas em luz.
 

→ clique aqui para ler outros artigos de Michael Berg