Focando nossos olhos e coração | por Michael Berg

A porção de Shemot conta a famosa história do nascimento de Moisés: ele sendo levado para a casa do Faraó e como ele acabou sendo escolhido para expulsar os israelitas do exílio. Essa porção, portanto, nos ensina sobre liderança e revela uma ferramenta muito importante que Moisés usou para se tornar aquele a liderar os israelitas para fora do exílio, e alguém com o qual todos nós podemos aprender.

Na vida, somos todos líderes com diferentes esferas de liderança, isto é, cada um de nós tem a capacidade de ensinar ou ajudar um diferente número de pessoas. Entendendo isso, percebemos o quanto é importante para nós desenvolver nossas próprias habilidades de liderança. E uma maneira poderosa de fazer isso é estudando Moisés, um dos maiores líderes.

Então, a porção Shemot diz: “Moisés cresceu e foi ter com seus irmãos e observou seu sofrimento...”. O Midrash explica que Moisés não simplesmente viu seu povo sofrer; em vez disso, ele especificamente saiu para ver seu sofrimento e “focou seus olhos e coração em sofrer por eles”. O que o Midrash está nos dizendo aqui é que Moisés sabia da dificuldade que estava constantemente acontecendo a seus irmãos e também sentiu sua dor. Mas se esse era o caso, por que, então, ele sentiu a necessidade de sair e ver o que estava acontecendo e focar seus olhos e coração para sentir a dor?

Moisés está nos ensinando aqui uma das mais importantes lições espirituais. Aqueles de nós que estão envolvidos no trabalho espiritual sabem que uma grande parte do nosso crescimento depende de quanto nos esforçamos para ajudar os outros, tanto espiritual quanto fisicamente. No entanto, a realidade é que a maioria de nós é muito limitada nessa área. Estamos conscientes de que existe dor e sofrimento em todo o mundo e sabemos que, ao revelar mais da Luz do Criador no mundo através do trabalho espiritual, podemos remover algumas das escuridões que os causam. No entanto, mesmo com todo esse entendimento, ainda não nos esforçamos o suficiente para fazer o que for possível para eliminar um pouco da dor e do sofrimento que estão no mundo.

Moisés nos mostra, nesta porção, que não basta apenas saber sobre a dor que está neste mundo: temos que focar verdadeiramente nossos olhos e coração nela. Nosso desejo de receber para nós mesmos, que não nos deixa levantar um dedo se não for por nossa própria causa, é forte o suficiente para que até mesmo nossa consciência da dor não nos ajude a quebrar nossa natureza e sair para ajudar os outros completamente. Como tal, precisamos nos lembrar constantemente de focar nossos olhos e coração na dor; ao fazê-lo, podemos possivelmente quebrar nosso ego e nos esforçar para ajudar os outros. É uma lição muito importante.

A maneira como podemos alcançar um verdadeiro sentimento da dor dos outros, que por sua vez nos leva a sair de nossas zonas de conforto e realmente compartilhar, é se seguirmos o exemplo de Moisés. E no Shabat Shemot podemos pedir – e receber – sua ajuda para concentrar nossos olhos e coração na dor e no sofrimento do mundo.

→ clique aqui para ler outros artigos de Michael Berg

 

A porção de Shemot conta a famosa história do nascimento de Moisés: ele sendo levado para a casa do Faraó e como ele acabou sendo escolhido para expulsar os israelitas do exílio. Essa porção, portanto, nos ensina sobre liderança e revela uma ferramenta muito importante que Moisés usou para se tornar aquele a liderar os israelitas para fora do exílio, e alguém com o qual todos nós podemos aprender.

Na vida, somos todos líderes com diferentes esferas de liderança, isto é, cada um de nós tem a capacidade de ensinar ou ajudar um diferente número de pessoas. Entendendo isso, percebemos o quanto é importante para nós desenvolver nossas próprias habilidades de liderança. E uma maneira poderosa de fazer isso é estudando Moisés, um dos maiores líderes.

Então, a porção Shemot diz: “Moisés cresceu e foi ter com seus irmãos e observou seu sofrimento...”. O Midrash explica que Moisés não simplesmente viu seu povo sofrer; em vez disso, ele especificamente saiu para ver seu sofrimento e “focou seus olhos e coração em sofrer por eles”. O que o Midrash está nos dizendo aqui é que Moisés sabia da dificuldade que estava constantemente acontecendo a seus irmãos e também sentiu sua dor. Mas se esse era o caso, por que, então, ele sentiu a necessidade de sair e ver o que estava acontecendo e focar seus olhos e coração para sentir a dor?

Moisés está nos ensinando aqui uma das mais importantes lições espirituais. Aqueles de nós que estão envolvidos no trabalho espiritual sabem que uma grande parte do nosso crescimento depende de quanto nos esforçamos para ajudar os outros, tanto espiritual quanto fisicamente. No entanto, a realidade é que a maioria de nós é muito limitada nessa área. Estamos conscientes de que existe dor e sofrimento em todo o mundo e sabemos que, ao revelar mais da Luz do Criador no mundo através do trabalho espiritual, podemos remover algumas das escuridões que os causam. No entanto, mesmo com todo esse entendimento, ainda não nos esforçamos o suficiente para fazer o que for possível para eliminar um pouco da dor e do sofrimento que estão no mundo.

Moisés nos mostra, nesta porção, que não basta apenas saber sobre a dor que está neste mundo: temos que focar verdadeiramente nossos olhos e coração nela. Nosso desejo de receber para nós mesmos, que não nos deixa levantar um dedo se não for por nossa própria causa, é forte o suficiente para que até mesmo nossa consciência da dor não nos ajude a quebrar nossa natureza e sair para ajudar os outros completamente. Como tal, precisamos nos lembrar constantemente de focar nossos olhos e coração na dor; ao fazê-lo, podemos possivelmente quebrar nosso ego e nos esforçar para ajudar os outros. É uma lição muito importante.

A maneira como podemos alcançar um verdadeiro sentimento da dor dos outros, que por sua vez nos leva a sair de nossas zonas de conforto e realmente compartilhar, é se seguirmos o exemplo de Moisés. E no Shabat Shemot podemos pedir – e receber – sua ajuda para concentrar nossos olhos e coração na dor e no sofrimento do mundo.

→ clique aqui para ler outros artigos de Michael Berg