Extinguindo a negatividade | por Michael Berg

A frase uvi'arta harah mikirbecha, que se traduz como "[...] e você extinguirá a negatividade de dentro de você", se repete muitas vezes nas porções Ki Tetze e na porção anterior, Shoftim. Mas o que isso significa?

Quando os israelitas receberam a Luz no Sinai, o Zohar nos diz, eles alcançaram o nível de Bila HaMavet LaNetzach, o nível de Imortalidade. No entanto, embora os israelitas tenham atingido esse nível de conexão, revelação e separação das forças da escuridão, eles caíram posteriormente em um certo nível de Desejo de Receber para Si Mesmo e perderam o domínio sobre a morte. E, assim, aprendemos que existem duas maneiras de sairmos da escuridão: uma é completa e outra não.

Ao atingir o nível de Bila HaMavet LaNetzach no Sinai, os israelitas passaram por um processo de separação completa das forças do ego e das trevas; no entanto, as forças em si permaneceram. Eles completaram a primeira parte do processo, que foi se separar da escuridão, mas não completaram a segunda parte, que era extinguir essas forças da escuridão. E por que essas forças ainda existiam, eles puderam cair novamente. Para explicar esse conceito com um exemplo, é como, por um lado, uma pessoa que tem um problema com a raiva pode passar pelo trabalho espiritual de se separar da raiva, mas, na realidade, se ela tiver apenas se separado dessa raiva e não tiver removido a raiz completamente, então a pessoa pode sempre voltar a cair.

Cada um de nós tem seu próprio tikun, nossa própria hoste de manifestações de Desejo de Receber para Si Mesmo, e muitas vezes o que fazemos em nosso trabalho espiritual é nos separar dessas ações sem extinguir sua fonte. Precisamos extinguir sua fonte, caso contrário, sempre podemos cair nelas novamente. Então, como podemos não apenas nos separar dessas forças da negatividade, mas efetivamente extingui-las? Tudo tem a ver com a consciência. Tudo se trata do que estamos pensando ao travar essas batalhas.

Continuando a usar a raiva como exemplo, por ser fácil falar sobre ela, uma pessoa chega à conclusão de que sua batalha, ou pelo menos uma de suas batalhas, é contra a raiva. Tem a oportunidade de ficar com raiva e sabe que, para conseguir sua correção, precisa lutar contra essa tendência.

A questão é, no entanto, qual a consciência dela quando essa oportunidade surge e ela luta nessa batalha? Para a maioria das pessoas, é algo como: "É uma coisa contra a qual preciso lutar; vou combater a tendência de ficar com raiva ou ferir outra pessoa", mas não levamos isso adiante em nossa consciência. E é isso que a porção e o Shabat de Ki Tetze realmente nos dão a capacidade de ter: a consciência de remover as fontes de escuridão e negatividade; e remover isso realmente é tão simples quanto a consciência.

Portanto, precisamos ir além de apenas dizer a nós mesmos: "É contra isso que tenho que lutar para conectar com a Luz do Criador e receber as bênçãos que pretendo receber". Temos que dizer: "Não estou fazendo isso apenas para vencer a batalha, mas também para remover sua fonte espiritual, a fonte da escuridão que me impulsiona". Porque a verdade é que, mesmo se vencermos a batalha hoje e não ficarmos irritados, amanhã ainda teremos a oportunidade de ficar com raiva.

Queremos, portanto, que nossa consciência seja: "Não quero simplesmente vencer esta batalha: quero ir à fonte espiritual desta raiva e remover uma parte dela para que amanhã, mesmo que eu tenha outro desafio que possa derrotar, a fonte espiritual desta raiva seja reduzida".

E para dar um passo adiante, se o indivíduo não apenas pensa em si mesmo e na batalha atual, mas também pensa que o que está fazendo é extinguir uma fonte espiritual dessa escuridão, então, com o tempo, será capaz de remover essa negatividade em sua fonte e, portanto, do mundo. Quando uma pessoa luta sua batalha contra seu próprio Desejo individual de Receber Apenas para Si Mesma, da maneira que ele se manifesta em sua vida, e está sempre consciente do fato de que, ao travar essa batalha, também quer extingui-la na fonte, ela está, então, servindo à humanidade, porque a fonte da raiva é a mesma fonte de raiva para todo mundo. E isso vale para o ciúme, o ódio sem motivo e toda manifestação de Desejo de Receber Apenas para Si Mesmo.

Quando temos consciência de como nossa batalha individual influencia o mundo, isso nos dá força, sabendo que se hoje caímos no egoísmo e ficamos com raiva, não apenas nos prejudicamos, mas também fortalecemos a fonte de raiva no mundo. No entanto, do lado positivo, sabendo que se vencermos esta batalha e tivermos a consciência de querer que ela faça não apenas o bem por nós mesmos, mas também diminua a fonte da angústia no mundo, ajudamos agora qualquer pessoa que esteja enfrentando esse mesmo problema. E quando lutamos pelo coletivo, recebemos força do coletivo.

O objetivo do trabalho espiritual da humanidade não é voltar para o lugar onde os israelitas estavam no Sinai, mas chegar a um lugar onde não apenas estamos separados de todas as forças da escuridão, mas também as extinguimos e as removemos completamente, de modo que elas nunca possam voltar a este mundo. Através da porção e do Shabat de Ki Tetze, temos a oportunidade de mudar nossa consciência e nos aproximar de alcançar esse objetivo.

 

→ clique aqui para ler outros artigos de Michael Berg

 

 

A frase uvi'arta harah mikirbecha, que se traduz como "[...] e você extinguirá a negatividade de dentro de você", se repete muitas vezes nas porções Ki Tetze e na porção anterior, Shoftim. Mas o que isso significa?

Quando os israelitas receberam a Luz no Sinai, o Zohar nos diz, eles alcançaram o nível de Bila HaMavet LaNetzach, o nível de Imortalidade. No entanto, embora os israelitas tenham atingido esse nível de conexão, revelação e separação das forças da escuridão, eles caíram posteriormente em um certo nível de Desejo de Receber para Si Mesmo e perderam o domínio sobre a morte. E, assim, aprendemos que existem duas maneiras de sairmos da escuridão: uma é completa e outra não.

Ao atingir o nível de Bila HaMavet LaNetzach no Sinai, os israelitas passaram por um processo de separação completa das forças do ego e das trevas; no entanto, as forças em si permaneceram. Eles completaram a primeira parte do processo, que foi se separar da escuridão, mas não completaram a segunda parte, que era extinguir essas forças da escuridão. E por que essas forças ainda existiam, eles puderam cair novamente. Para explicar esse conceito com um exemplo, é como, por um lado, uma pessoa que tem um problema com a raiva pode passar pelo trabalho espiritual de se separar da raiva, mas, na realidade, se ela tiver apenas se separado dessa raiva e não tiver removido a raiz completamente, então a pessoa pode sempre voltar a cair.

Cada um de nós tem seu próprio tikun, nossa própria hoste de manifestações de Desejo de Receber para Si Mesmo, e muitas vezes o que fazemos em nosso trabalho espiritual é nos separar dessas ações sem extinguir sua fonte. Precisamos extinguir sua fonte, caso contrário, sempre podemos cair nelas novamente. Então, como podemos não apenas nos separar dessas forças da negatividade, mas efetivamente extingui-las? Tudo tem a ver com a consciência. Tudo se trata do que estamos pensando ao travar essas batalhas.

Continuando a usar a raiva como exemplo, por ser fácil falar sobre ela, uma pessoa chega à conclusão de que sua batalha, ou pelo menos uma de suas batalhas, é contra a raiva. Tem a oportunidade de ficar com raiva e sabe que, para conseguir sua correção, precisa lutar contra essa tendência.

A questão é, no entanto, qual a consciência dela quando essa oportunidade surge e ela luta nessa batalha? Para a maioria das pessoas, é algo como: "É uma coisa contra a qual preciso lutar; vou combater a tendência de ficar com raiva ou ferir outra pessoa", mas não levamos isso adiante em nossa consciência. E é isso que a porção e o Shabat de Ki Tetze realmente nos dão a capacidade de ter: a consciência de remover as fontes de escuridão e negatividade; e remover isso realmente é tão simples quanto a consciência.

Portanto, precisamos ir além de apenas dizer a nós mesmos: "É contra isso que tenho que lutar para conectar com a Luz do Criador e receber as bênçãos que pretendo receber". Temos que dizer: "Não estou fazendo isso apenas para vencer a batalha, mas também para remover sua fonte espiritual, a fonte da escuridão que me impulsiona". Porque a verdade é que, mesmo se vencermos a batalha hoje e não ficarmos irritados, amanhã ainda teremos a oportunidade de ficar com raiva.

Queremos, portanto, que nossa consciência seja: "Não quero simplesmente vencer esta batalha: quero ir à fonte espiritual desta raiva e remover uma parte dela para que amanhã, mesmo que eu tenha outro desafio que possa derrotar, a fonte espiritual desta raiva seja reduzida".

E para dar um passo adiante, se o indivíduo não apenas pensa em si mesmo e na batalha atual, mas também pensa que o que está fazendo é extinguir uma fonte espiritual dessa escuridão, então, com o tempo, será capaz de remover essa negatividade em sua fonte e, portanto, do mundo. Quando uma pessoa luta sua batalha contra seu próprio Desejo individual de Receber Apenas para Si Mesma, da maneira que ele se manifesta em sua vida, e está sempre consciente do fato de que, ao travar essa batalha, também quer extingui-la na fonte, ela está, então, servindo à humanidade, porque a fonte da raiva é a mesma fonte de raiva para todo mundo. E isso vale para o ciúme, o ódio sem motivo e toda manifestação de Desejo de Receber Apenas para Si Mesmo.

Quando temos consciência de como nossa batalha individual influencia o mundo, isso nos dá força, sabendo que se hoje caímos no egoísmo e ficamos com raiva, não apenas nos prejudicamos, mas também fortalecemos a fonte de raiva no mundo. No entanto, do lado positivo, sabendo que se vencermos esta batalha e tivermos a consciência de querer que ela faça não apenas o bem por nós mesmos, mas também diminua a fonte da angústia no mundo, ajudamos agora qualquer pessoa que esteja enfrentando esse mesmo problema. E quando lutamos pelo coletivo, recebemos força do coletivo.

O objetivo do trabalho espiritual da humanidade não é voltar para o lugar onde os israelitas estavam no Sinai, mas chegar a um lugar onde não apenas estamos separados de todas as forças da escuridão, mas também as extinguimos e as removemos completamente, de modo que elas nunca possam voltar a este mundo. Através da porção e do Shabat de Ki Tetze, temos a oportunidade de mudar nossa consciência e nos aproximar de alcançar esse objetivo.

 

→ clique aqui para ler outros artigos de Michael Berg