Escolha um lado | por Michael Berg

A Haftorah da porção Ki Tisa conta uma história sobre algo que aconteceu durante a época do profeta Elijah (Elias). Quase todo mundo naquele tempo tinha saído do caminho espiritual, indo em direção aos profetas de um deus chamado Baal; tanto que Elijah era a única pessoa que restava no caminho espiritual puro.

Então, está escrito que Elijah disse aos mais de 400 profetas do Baal: “Vamos fazer um teste. Você traz um sacrifício no monte Carmelo, em Haifa, e eu trago um sacrifício, e veremos de quem é o sacrifício aceito.”

É uma história muito fascinante, com muitos detalhes. Os profetas de Baal trazem seu sacrifício e começam a gritar para o deus deles, mas nada acontece. Então, Elijah começa a repreendê-los: “Talvez ele esteja dormindo! Grite um pouco mais alto”. Mas, ainda assim, nada acontece.

Então, Elijah leva seu sacrifício, e a água é derramada por toda a lenha, por todo o sacrifício, e enche os túneis próximos a ele. E ele diz ao Criador: “Agora é a hora de você provar ao mundo que ou a maioria – todas essas centenas de profetas e todas as pessoas que os seguem – está certa, ou sou apenas eu que estou certo”. A oração de Mincha (Minchá) que fazemos diz que o fogo desce dos céus, o milagre acontece, e não apenas o sacrifício é queimado, mas também toda a água que estava ali.

Há muitas lições nessa história, mas quero me concentrar em uma declaração que Elijah faz. Como dissemos, naquela época Elijah era a única pessoa no caminho espiritual puro; no entanto, todos os outros demais se envolveram. Eles foram um pouco para o Baal, mas às vezes também faziam o trabalho espiritual para tentar se conectar à Luz. E a afirmação que Elijah faz é: “Isso tem que parar. Escolham um lado. Sejam 100% com os ídolos ou 100% com o Criador. Não fiquem no meio. Não vão de um lado para o outro”. Isso é muito interessante; ele basicamente diz a eles que é melhor para eles deixar o caminho espiritual completamente do que ficar em algum lugar no meio, fazendo um pouco de trabalho espiritual e retornando depois para suas vidas cheias de seus desejos egoístas.

É um conceito importante, porque a maioria de nós não tem clareza sobre isso. Achamos que não há problema em fazer nosso trabalho espiritual, mas também fazemos todos os tipos de outras coisas. Mas o que Elijah diz aqui não é o que nós naturalmente presumiríamos. Se eles ainda estão fazendo algum trabalho espiritual, por que desencorajá-los? Não é melhor fazer algum trabalho espiritual em vez de nenhum? Mas a partir da afirmação de Elijah, aprendemos que a resposta é não.

Se uma pessoa seguir o rumo egoísta, ela deve percorrer todo o caminho e não mentir para si mesma, sendo um pouco espiritual, enquanto ainda se permite viver em seu Desejo de Receber Para Si Mesma. Como tal, Elijah diz a eles e a nós: “Escolha um lado”.

Estamos todos, infelizmente, em algum lugar na mesma vizinhança onde estavam aquelas pessoas da geração do profeta Elijah. Sim, somos inspirados a fazer o trabalho espiritual, mas também, às vezes, caímos e escolhemos o contrário. No entanto, aprendemos aqui com Elijah que existe um grande perigo em estar no meio, porque quando estamos no meio, nunca chegamos ao fim, à verdadeira conexão com a Luz. E assim, no Shabat Ki Tisa, podemos receber a ajuda do profeta Elijah para parar de ficar no meio e escolher o lado da Luz do Criador,  esforçando-nos completamente nessa direção. Ir de um lado para o outro nunca nos levará para onde estamos destinados a estar: uma verdadeira conexão com o Criador, e a Luz e bênçãos que vêm dessa conexão.

→ clique aqui para ler outros artigos de Michael Berg

 

A Haftorah da porção Ki Tisa conta uma história sobre algo que aconteceu durante a época do profeta Elijah (Elias). Quase todo mundo naquele tempo tinha saído do caminho espiritual, indo em direção aos profetas de um deus chamado Baal; tanto que Elijah era a única pessoa que restava no caminho espiritual puro.

Então, está escrito que Elijah disse aos mais de 400 profetas do Baal: “Vamos fazer um teste. Você traz um sacrifício no monte Carmelo, em Haifa, e eu trago um sacrifício, e veremos de quem é o sacrifício aceito.”

É uma história muito fascinante, com muitos detalhes. Os profetas de Baal trazem seu sacrifício e começam a gritar para o deus deles, mas nada acontece. Então, Elijah começa a repreendê-los: “Talvez ele esteja dormindo! Grite um pouco mais alto”. Mas, ainda assim, nada acontece.

Então, Elijah leva seu sacrifício, e a água é derramada por toda a lenha, por todo o sacrifício, e enche os túneis próximos a ele. E ele diz ao Criador: “Agora é a hora de você provar ao mundo que ou a maioria – todas essas centenas de profetas e todas as pessoas que os seguem – está certa, ou sou apenas eu que estou certo”. A oração de Mincha (Minchá) que fazemos diz que o fogo desce dos céus, o milagre acontece, e não apenas o sacrifício é queimado, mas também toda a água que estava ali.

Há muitas lições nessa história, mas quero me concentrar em uma declaração que Elijah faz. Como dissemos, naquela época Elijah era a única pessoa no caminho espiritual puro; no entanto, todos os outros demais se envolveram. Eles foram um pouco para o Baal, mas às vezes também faziam o trabalho espiritual para tentar se conectar à Luz. E a afirmação que Elijah faz é: “Isso tem que parar. Escolham um lado. Sejam 100% com os ídolos ou 100% com o Criador. Não fiquem no meio. Não vão de um lado para o outro”. Isso é muito interessante; ele basicamente diz a eles que é melhor para eles deixar o caminho espiritual completamente do que ficar em algum lugar no meio, fazendo um pouco de trabalho espiritual e retornando depois para suas vidas cheias de seus desejos egoístas.

É um conceito importante, porque a maioria de nós não tem clareza sobre isso. Achamos que não há problema em fazer nosso trabalho espiritual, mas também fazemos todos os tipos de outras coisas. Mas o que Elijah diz aqui não é o que nós naturalmente presumiríamos. Se eles ainda estão fazendo algum trabalho espiritual, por que desencorajá-los? Não é melhor fazer algum trabalho espiritual em vez de nenhum? Mas a partir da afirmação de Elijah, aprendemos que a resposta é não.

Se uma pessoa seguir o rumo egoísta, ela deve percorrer todo o caminho e não mentir para si mesma, sendo um pouco espiritual, enquanto ainda se permite viver em seu Desejo de Receber Para Si Mesma. Como tal, Elijah diz a eles e a nós: “Escolha um lado”.

Estamos todos, infelizmente, em algum lugar na mesma vizinhança onde estavam aquelas pessoas da geração do profeta Elijah. Sim, somos inspirados a fazer o trabalho espiritual, mas também, às vezes, caímos e escolhemos o contrário. No entanto, aprendemos aqui com Elijah que existe um grande perigo em estar no meio, porque quando estamos no meio, nunca chegamos ao fim, à verdadeira conexão com a Luz. E assim, no Shabat Ki Tisa, podemos receber a ajuda do profeta Elijah para parar de ficar no meio e escolher o lado da Luz do Criador,  esforçando-nos completamente nessa direção. Ir de um lado para o outro nunca nos levará para onde estamos destinados a estar: uma verdadeira conexão com o Criador, e a Luz e bênçãos que vêm dessa conexão.

→ clique aqui para ler outros artigos de Michael Berg