Devido a pandemia global de covid-19 todas nossas aulas tem ocorrido online através da nossa plataforma EAD. Clique aqui para acessar.
Lembre-se que seu apoio é fundamental para a manutenção do Kabbalah Centre, principalmente neste momento. Se quiser ser parte de nossos projetos, doe aqui!

Encontrando a Luz na Escuridão | por Karen Berg

"Quando não conseguimos mais mudar  uma situação, somos desafiados a mudar a nós mesmos,” disse Victor Frankl… e como isto é verdade. No entanto, o poder de mudar a nós mesmos não existe apenas naqueles tempos constritivos, quando somos pressionados contra uma parede, em circunstâncias impossíveis, que no final nos tiram a força.  À medida que aumentamos nossa consciência para vivenciar a realidade a partir de uma posição espiritual mais estratégica, nós percebemos que tudo – o bom, o ruim, os altos, os baixos e cada desafio singular que encaramos – estão todos aqui para que possamos progredir em sermos mais do que somos hoje. Somos testados na vida, pois é por meio dos testes que revelamos quem somos, e para “mostrar-lhes do que somos feitos”, como se diz.

Esta ideia é algo que o Patriarca Abraão sabia muito bem. Abraão passou por dez diferentes testes, perdurando o que poderíamos pensar ser a mais dolorosa das situações, e no entanto, em nenhum momento ele entrou na consciência de “vítima”. Ele poderia facilmente ter dito: “Oh, Deus, porque isto está acontecendo comigo? Eu estou falando sério, eu sou um justo; eu não mereço isto… Eu sou Abraão, o Patriarca, pelo amor dos céus!” Mas ao invés disto, está escrito na porção de Chayei Sarah que Abraão “aceitou seus dias”, ou seja, a cada manhã ele abria seus olhos e saudava o dia que havia chegado, ele o fazia com a intenção de encarar seus desafios, para que ele pudesse transformá-los, pela força de seu amor e certeza na Força da Luz de Deus, em uma realidade mais positiva de si mesmo e do mundo. Ele nunca ficou preso ao pensamento de que o “pacote” das circunstâncias externas era tudo que poderia existir em sua vida. Ele sempre despertou seu poder interno de mudar a si mesmo e expandir a presença de sua alma no mundo. Ele viveu para encontrar a Luz na escuridão.

Tão frequentemente, quando encaramos nossos próprios obstáculos, pensamos: Como posso escapar desta situação? Como posso evitar esta pessoa? Como posso encontrar uma maneira para NÃO lidar com isto? Pensamos assim ou entramos naquele beco sem saída duvidando da existência da Luz em nossas vidas ou da validade do caminho espiritual que percorremos, esquecendo dos milagres que já vimos. Contudo, Abraão nesta porção nos lembra e nos encoraja a encontrar uma janela que esteja aberta quando todas as portas estão fechadas; a encontrar o lugar interno onde nós temos a força e a certeza para aceitar nossos desafios, sabendo que sempre há uma maneira, que sempre há um caminho para a superação, mesmo que não se pareça com o que achamos que seja a solução ideal.

Algumas vezes, o primeiro passo é tão simples quanto a seguinte postura mental empoderadora: ”OK, aqui está um desafio diante de mim. Eu sei que a Luz está aqui a despeito da escuridão que estou vivenciando. Como posso encarar isso de uma forma positiva?”.

Espiritualidade não é algo que simplesmente acontece. Enquanto houver ar em nossos pulmões, haverá sempre algum tipo de prova de fogo. É na aceitação, na luta, na certeza e na superação, que revelamos e cultivamos nossa força interior.

Não importa o obstáculo que estejamos encarando, o desafio espiritual continua o mesmo: que nós “aceitemos nossos dias”, vivendo cada um e todos os momentos para encontrar a Luz que existe na escuridão. O primeiro passo, é claro, é saber que a Luz está ali.

→ clique aqui para ler outros artigos de Karen Berg

 

"Quando não conseguimos mais mudar  uma situação, somos desafiados a mudar a nós mesmos,” disse Victor Frankl… e como isto é verdade. No entanto, o poder de mudar a nós mesmos não existe apenas naqueles tempos constritivos, quando somos pressionados contra uma parede, em circunstâncias impossíveis, que no final nos tiram a força.  À medida que aumentamos nossa consciência para vivenciar a realidade a partir de uma posição espiritual mais estratégica, nós percebemos que tudo – o bom, o ruim, os altos, os baixos e cada desafio singular que encaramos – estão todos aqui para que possamos progredir em sermos mais do que somos hoje. Somos testados na vida, pois é por meio dos testes que revelamos quem somos, e para “mostrar-lhes do que somos feitos”, como se diz.

Esta ideia é algo que o Patriarca Abraão sabia muito bem. Abraão passou por dez diferentes testes, perdurando o que poderíamos pensar ser a mais dolorosa das situações, e no entanto, em nenhum momento ele entrou na consciência de “vítima”. Ele poderia facilmente ter dito: “Oh, Deus, porque isto está acontecendo comigo? Eu estou falando sério, eu sou um justo; eu não mereço isto… Eu sou Abraão, o Patriarca, pelo amor dos céus!” Mas ao invés disto, está escrito na porção de Chayei Sarah que Abraão “aceitou seus dias”, ou seja, a cada manhã ele abria seus olhos e saudava o dia que havia chegado, ele o fazia com a intenção de encarar seus desafios, para que ele pudesse transformá-los, pela força de seu amor e certeza na Força da Luz de Deus, em uma realidade mais positiva de si mesmo e do mundo. Ele nunca ficou preso ao pensamento de que o “pacote” das circunstâncias externas era tudo que poderia existir em sua vida. Ele sempre despertou seu poder interno de mudar a si mesmo e expandir a presença de sua alma no mundo. Ele viveu para encontrar a Luz na escuridão.

Tão frequentemente, quando encaramos nossos próprios obstáculos, pensamos: Como posso escapar desta situação? Como posso evitar esta pessoa? Como posso encontrar uma maneira para NÃO lidar com isto? Pensamos assim ou entramos naquele beco sem saída duvidando da existência da Luz em nossas vidas ou da validade do caminho espiritual que percorremos, esquecendo dos milagres que já vimos. Contudo, Abraão nesta porção nos lembra e nos encoraja a encontrar uma janela que esteja aberta quando todas as portas estão fechadas; a encontrar o lugar interno onde nós temos a força e a certeza para aceitar nossos desafios, sabendo que sempre há uma maneira, que sempre há um caminho para a superação, mesmo que não se pareça com o que achamos que seja a solução ideal.

Algumas vezes, o primeiro passo é tão simples quanto a seguinte postura mental empoderadora: ”OK, aqui está um desafio diante de mim. Eu sei que a Luz está aqui a despeito da escuridão que estou vivenciando. Como posso encarar isso de uma forma positiva?”.

Espiritualidade não é algo que simplesmente acontece. Enquanto houver ar em nossos pulmões, haverá sempre algum tipo de prova de fogo. É na aceitação, na luta, na certeza e na superação, que revelamos e cultivamos nossa força interior.

Não importa o obstáculo que estejamos encarando, o desafio espiritual continua o mesmo: que nós “aceitemos nossos dias”, vivendo cada um e todos os momentos para encontrar a Luz que existe na escuridão. O primeiro passo, é claro, é saber que a Luz está ali.

→ clique aqui para ler outros artigos de Karen Berg