Corrija este Mundo | por Michael Berg

Há uma história no Talmud sobre o Shabat Mishpatim. Ela diz que, quando Moisés subiu aos céus para receber a Torah, os anjos perguntaram ao Criador: “Mestre do Mundo, por que há um ser humano aqui entre nós?”. E uma discussão, ou argumento, segue. Porque o que estava sendo dado à humanidade, através da Torah, não era sabedoria ou um caminho espiritual: foi um verdadeiro desapego da essência da Luz do Criador, sendo enviado para qualquer um que a quisesse. Os anjos não puderam entender isso, portanto, eles perguntaram ao Criador: “Como você pode entregar o controle da essência da Sua Luz ao homem?”.

Se o Criador estivesse simplesmente dando sabedoria, ou mesmo dando um caminho espiritual, os anjos não teriam dificuldade em entender. Mas o Criador está dando a Sua essência, e é disso que este Shabat se trata: o conceito da entrega da Torah, que é uma entrega da essência do Criador. E porque o Criador deu Sua essência para nós, o Criador não pode mais consertar este mundo: só nós podemos.

Shabat Mishpatim é sobre o Criador nos dando a Luz. E uma vez cedida, quer aceitemos ou não, é nossa escolha, mas o Criador não pode mais consertar este mundo. Somente seres deste mundo – não anjos ou mesmo a própria Luz – podem consertá-lo. Assim, não só nos é dada a oportunidade de possuir a Luz e, portanto, receber a proteção que vem com isso: nós também recebemos esta tremenda responsabilidade de fazer algo que não pode ser feito pelo Criador ou pelos anjos. Nós temos que tomar o controle desta Luz e, através disso, consertar este mundo.

O que nos foi dado no Sinai, o que foi dado ao nosso mundo no que é chamado de Torah, e através do Zohar, é a essência da Luz que o Criador cortou para nós. O Criador colocou lá, e está aqui para nós tomarmos. É por isso que os anjos ficaram tão assustados. Eles perguntaram ao Criador: “Você tem certeza disso? Tem certeza de que deseja enviar sua Luz para o mundo de uma forma que não é recuperável por nós ou por você? Nós não podemos mais consertar uma vez que você faça essa escolha”. E o Criador diz: “Sim.

Pode demorar um pouco, mas chegará um momento na história da humanidade em que pessoas suficientes entenderão que enviamos ao mundo a essência da Luz. Ninguém mais pode tocá-la, exceto humanos. Os humanos que entendem isso, e fazem disso o foco de suas vidas para possuir essa Luz, podem usar essa Luz para consertar o mundo”.

É uma mudança muito importante de como vemos nosso trabalho espiritual e a responsabilidade que vem com ele. E, no Shabat Mishpatim, temos tanto o dom de poder focar novamente no nosso trabalho espiritual em torno desse entendimento quanto de sermos capazes de tomar essa essência da Luz que nos foi dada e consertar este mundo.

 

→ clique aqui para ler outros artigos de Michael Berg

 

Há uma história no Talmud sobre o Shabat Mishpatim. Ela diz que, quando Moisés subiu aos céus para receber a Torah, os anjos perguntaram ao Criador: “Mestre do Mundo, por que há um ser humano aqui entre nós?”. E uma discussão, ou argumento, segue. Porque o que estava sendo dado à humanidade, através da Torah, não era sabedoria ou um caminho espiritual: foi um verdadeiro desapego da essência da Luz do Criador, sendo enviado para qualquer um que a quisesse. Os anjos não puderam entender isso, portanto, eles perguntaram ao Criador: “Como você pode entregar o controle da essência da Sua Luz ao homem?”.

Se o Criador estivesse simplesmente dando sabedoria, ou mesmo dando um caminho espiritual, os anjos não teriam dificuldade em entender. Mas o Criador está dando a Sua essência, e é disso que este Shabat se trata: o conceito da entrega da Torah, que é uma entrega da essência do Criador. E porque o Criador deu Sua essência para nós, o Criador não pode mais consertar este mundo: só nós podemos.

Shabat Mishpatim é sobre o Criador nos dando a Luz. E uma vez cedida, quer aceitemos ou não, é nossa escolha, mas o Criador não pode mais consertar este mundo. Somente seres deste mundo – não anjos ou mesmo a própria Luz – podem consertá-lo. Assim, não só nos é dada a oportunidade de possuir a Luz e, portanto, receber a proteção que vem com isso: nós também recebemos esta tremenda responsabilidade de fazer algo que não pode ser feito pelo Criador ou pelos anjos. Nós temos que tomar o controle desta Luz e, através disso, consertar este mundo.

O que nos foi dado no Sinai, o que foi dado ao nosso mundo no que é chamado de Torah, e através do Zohar, é a essência da Luz que o Criador cortou para nós. O Criador colocou lá, e está aqui para nós tomarmos. É por isso que os anjos ficaram tão assustados. Eles perguntaram ao Criador: “Você tem certeza disso? Tem certeza de que deseja enviar sua Luz para o mundo de uma forma que não é recuperável por nós ou por você? Nós não podemos mais consertar uma vez que você faça essa escolha”. E o Criador diz: “Sim.

Pode demorar um pouco, mas chegará um momento na história da humanidade em que pessoas suficientes entenderão que enviamos ao mundo a essência da Luz. Ninguém mais pode tocá-la, exceto humanos. Os humanos que entendem isso, e fazem disso o foco de suas vidas para possuir essa Luz, podem usar essa Luz para consertar o mundo”.

É uma mudança muito importante de como vemos nosso trabalho espiritual e a responsabilidade que vem com ele. E, no Shabat Mishpatim, temos tanto o dom de poder focar novamente no nosso trabalho espiritual em torno desse entendimento quanto de sermos capazes de tomar essa essência da Luz que nos foi dada e consertar este mundo.

 

→ clique aqui para ler outros artigos de Michael Berg