Compartilhando sem benefício pessoal | por Michael Berg

Existem certos Shabats que recebem um nome, e o Shabat da porção Va'etchanan é um deles. Frequentemente, esses nomes se referem à leitura da Torah para aquela porção; o Shabat de Va'etchanan, chamado Shabat Nachamu, no entanto, relaciona-se à Haftarah, da leitura do Profeta Isaías. O nome é retirado das palavras de abertura: Nachamu, nachamu ami –  "Consolai, consolai meu povo".

Isaías diz em sua profecia que as pessoas estão secas e que até mesmo as gentilezas que são feitas neste mundo são como ervas secas que crescem. Rav Ashlag e Rav Brandwein apontam, e o Zohar explica, que esse é realmente o segredo da barreira entre o mundo como o conhecemos hoje, com a dor, o sofrimento e a morte que existem, e do jeito que deveria ser. Mas o que isso significa? O quê, o Zohar pergunta, Isaías está dizendo quando ele afirma que as pessoas estão secas e sua bondade, suas ações de compartilhar estão secas?

Para explicar isso, o Zohar se aprofunda muito, mas há uma seção que quero compartilhar. Em seu livro O Pensamento da Criação, Rav Ashlag escreve, citando essa parte do Zohar, que quando está escrito que as pessoas estão secas e sua bondade está seca, isso significa que, quando as pessoas fazem uma gentileza, elas fazem isso para seu benefício pessoal, seja físico ou espiritual. E no Zohar está escrito, diz Rav Ashlag, que para trazer a mudança que desejamos para este mundo, e que o Criador deseja que tragamos, nós temos que mudar isso.

Precisamos pensar em nossa própria bondade e responder honestamente: quando compartilhamos ou damos, quanto disso é puro? Quanto disso é apenas para o propósito de revelar a Luz do Criador neste mundo, sem qualquer desejo de benefício pessoal?

Na Kabbalah, sim, aprendemos que fazer uma ação de compartilhar pode nos trazer bênçãos, e é importante fazê-las. Mas isso não é a consciência final. Vinte por cento ou 30% de nossas ações de bondade são puras? São apenas com o propósito de revelar a Luz do Criador neste mundo, sem qualquer desejo de bênçãos e benefícios pessoais? Enquanto elas não o são, a profecia de Isaías ainda é verdadeira: as pessoas permanecem secas, e as gentilezas, as ações de compartilhar, não têm o poder que elas deveriam ter. E está escrito: enquanto for esse o caso, não podemos atrair e segurar a Luz do Fim da Correção.

A Luz está disponível para cada um de nós no Shabat Nachamu, o Shabat da porção Va'etchanan, para nos tornarmos uma pessoa que realmente compartilha sem desejar receber qualquer benefício pessoal disso. Essa é a Luz que está disponível no Shabat Nachamu, e essa mudança, como o Zohar nos diz, é o que permitirá o início da manifestação da profecia de Isaías, Nachamu nachamu ami – "Consolai, consolai meu povo", por meio da qual toda a dor, lágrimas e a morte que já existiu são removidas de nosso mundo. Se pedirmos isso neste Shabat, podemos começar a nos mover nessa direção.

 

→ clique aqui para ler outros artigos de Michael Berg

 

Existem certos Shabats que recebem um nome, e o Shabat da porção Va'etchanan é um deles. Frequentemente, esses nomes se referem à leitura da Torah para aquela porção; o Shabat de Va'etchanan, chamado Shabat Nachamu, no entanto, relaciona-se à Haftarah, da leitura do Profeta Isaías. O nome é retirado das palavras de abertura: Nachamu, nachamu ami –  "Consolai, consolai meu povo".

Isaías diz em sua profecia que as pessoas estão secas e que até mesmo as gentilezas que são feitas neste mundo são como ervas secas que crescem. Rav Ashlag e Rav Brandwein apontam, e o Zohar explica, que esse é realmente o segredo da barreira entre o mundo como o conhecemos hoje, com a dor, o sofrimento e a morte que existem, e do jeito que deveria ser. Mas o que isso significa? O quê, o Zohar pergunta, Isaías está dizendo quando ele afirma que as pessoas estão secas e sua bondade, suas ações de compartilhar estão secas?

Para explicar isso, o Zohar se aprofunda muito, mas há uma seção que quero compartilhar. Em seu livro O Pensamento da Criação, Rav Ashlag escreve, citando essa parte do Zohar, que quando está escrito que as pessoas estão secas e sua bondade está seca, isso significa que, quando as pessoas fazem uma gentileza, elas fazem isso para seu benefício pessoal, seja físico ou espiritual. E no Zohar está escrito, diz Rav Ashlag, que para trazer a mudança que desejamos para este mundo, e que o Criador deseja que tragamos, nós temos que mudar isso.

Precisamos pensar em nossa própria bondade e responder honestamente: quando compartilhamos ou damos, quanto disso é puro? Quanto disso é apenas para o propósito de revelar a Luz do Criador neste mundo, sem qualquer desejo de benefício pessoal?

Na Kabbalah, sim, aprendemos que fazer uma ação de compartilhar pode nos trazer bênçãos, e é importante fazê-las. Mas isso não é a consciência final. Vinte por cento ou 30% de nossas ações de bondade são puras? São apenas com o propósito de revelar a Luz do Criador neste mundo, sem qualquer desejo de bênçãos e benefícios pessoais? Enquanto elas não o são, a profecia de Isaías ainda é verdadeira: as pessoas permanecem secas, e as gentilezas, as ações de compartilhar, não têm o poder que elas deveriam ter. E está escrito: enquanto for esse o caso, não podemos atrair e segurar a Luz do Fim da Correção.

A Luz está disponível para cada um de nós no Shabat Nachamu, o Shabat da porção Va'etchanan, para nos tornarmos uma pessoa que realmente compartilha sem desejar receber qualquer benefício pessoal disso. Essa é a Luz que está disponível no Shabat Nachamu, e essa mudança, como o Zohar nos diz, é o que permitirá o início da manifestação da profecia de Isaías, Nachamu nachamu ami – "Consolai, consolai meu povo", por meio da qual toda a dor, lágrimas e a morte que já existiu são removidas de nosso mundo. Se pedirmos isso neste Shabat, podemos começar a nos mover nessa direção.

 

→ clique aqui para ler outros artigos de Michael Berg