As Rodas da Alma | por Karen Berg

A vida é como uma espiral ascendente, rodando e rodando num círculo, elevando-se mais alto a cada passo. Até mesmo as estações do ano giram como uma roda, em ciclos. Assim faz também a alma, girando como a argila ao redor de uma roda de oleiro. A cada giro da roda, as mãos do oleiro remodelam a argila. Ao final, uma simples bola de argila pode se transformar em um belo e delicado vaso. Estamos na roda do oleiro da vida. Você pode se surpreender ao ouvir que não é a primeira vez que está aqui na Terra.

Este não é seu primeiro corpo. Já estivemos aqui antes e retornamos para transformar nossas almas de argila em bonitos recipientes, para que o Amor do Criador possa nos preencher. Algumas pessoas podem até se lembrar de suas vidas anteriores com detalhes precisos, assunto sobre o qual escrevi em meu livro “Idas e Vidas”. Retornamos a este mundo muitas vezes para completar nosso propósito espiritual. É frequente ver que a experiência de uma vida não é suficiente para moldar nossas almas naquilo para o qual elas realmente foram destinadas. Voltamos vida após vida, e pelo caminho deixamos sementes que crescem no carma que constrói nosso futuro.

Podemos não nos lembrar de ter plantado estas sementes, mas, no entanto, sua influência é incontrolável. Voltamos a este mundo nascendo em um certo lugar, com certos pais, certos talentos e certas aspirações. Vemo-nos conhecendo pessoas e entrando em uma variedade de eventos da vida, todos eles causados por ações de nossas vidas passadas. Cada vida é construída sobre a anterior. À medida que damos voltas e voltas, elevamos e construímos nossas bonitas almas como recipientes de Luz moldados pela experiência da vida em si mesma. Nesta semana, damos uma olhada em nosso passado de forma a entender nosso futuro. O cosmos abre uma janela e podemos ver de onde viemos para saber exatamente para onde necessitamos ir.

Nossa singular e misteriosa porção da Bíblia desta semana é chamada Mishpatim. Mishpatim significa “ordenações”. Finalizamos a semana passada no Monte Sinai e a história continua de lá. Logo após receber do Criador a primeira parte de seu guia espiritual, Os Dez Pronunciamentos, os israelitas estavam agora prontos para receber a segunda parte de seu roteiro espiritual. Os israelitas eram como recém-nascidos, frescos de um renascimento após o Egito. Eram novas pessoas embarcando numa jornada espiritual, e o Criador estava lá para guiá-los, assim como Ele está aqui para nós, hoje.

O Criador é a nossa mão do oleiro,  moldando-nos como os seres evoluídos que pedimos para nos tornar. O Criador informa aos israelitas as “ordenações” da vida, que são as regras cármicas de vida.  Estas regras espirituais formam uma aliança entre as pessoas e o Criador, fortificando sua ligação espiritual. De novo, as pessoas respondem: ”Tudo que o Senhor disser; nós faremos e iremos escutar.” Este foi o passo seguinte em suas evoluções espirituais. Este momento foi o ápice da retidão para o mundo e para toda a humanidade.

Essas orientações espirituais criam uma energia positiva e ajudam a transformar os israelitas de modo a serem o canal da Luz do Criador. Mishpatim nos oferece o conhecimento de um sistema espiritual que foi implementado para nos servir e nos ajudar a melhorar nossas vidas naquele tempo, e hoje. As orientações apresentadas pelo Criador expandem-se através de todas as nossas vidas e para toda a experiência humana. Isso pode nos ajudar se não pensarmos apenas em nossas vidas como uma história contida em nossa vida atual, mas uma história composta por muitas outras vidas.

Sua jornada não começou agora, quando você nasceu décadas atrás, nesta vida, mas começou milhares de anos atrás. Todas as suas vidas são voltas na roda do oleiro, moldando você como a pessoa que você é hoje. As orientações de Mishpatim são o caminho Divino que a alma utiliza ao longo de sua jornada. O Criador pede, então, a Moisés que suba o Monte Sinai para se unir a Ele e receber tudo que foi dito em forma física - As Tábuas. Moisés subiu e ficou na montanha por quarenta dias e quarenta noites. Um período de tempo que permitiu às pessoas purificarem-se e prepararem-se para receber as Tábuas.

Podemos passar a maioria dos nossos dias lidando com coisas de pequeno significado espiritual. Podemos permitir que nossos hobbies ou carreiras consumam todo nosso tempo. Mas isto é realmente o porquê viemos a este mundo? Nós realmente retornamos a este mundo tantas vezes para apenas acordar toda manhã, ir para nossos trabalhos e voltar para casa toda noite, apenas para repetir a mesma coisa, dia após dia? É para isto que fomos criados? Ou há muito mais para nossa existência? A Kabbalah nos ensina que a última afirmação é verdadeira.

Estamos aqui na Terra para expandir nossa alma e permitir que se manifeste em nossas vidas. Nascemos não somente para existir, mas para viver uma vida de alegria e satisfação infinitas . A alegria é o pensamento da Criação, e o Criador quer que a experimentemos. Os desafios que podemos enfrentar nesta vida nunca são aleatórios. Os desafios que você vem experimentando na vida estão conectados a uma vida passada. Quando estamos abertos para aceitar que qualquer coisa que possamos ver em nossas vidas hoje seja resultado das sementes que plantamos em vidas anteriores, podemos então ficar livres. Podemos ficar livres da dor e da culpa.

A maior liberdade é saber que tudo o que está acontecendo conosco é para nosso próprio benefício e crescimento. Saber que nossas lutas não são em vão ou aleatórias pode ser uma das maiores liberdades que poderemos ter. As leis cármicas da vida nos ensinam que tudo que damos volta para nós. Caso desejamos ter mais amor em nossas vidas, precisamos dar amor. Mishpatim nos ensina que tudo que concedemos poderá, ao final, nesta vida ou na próxima, voltar para nós como um bumerangue. Nesta semana, somos inspirados a abrir nossos corações para dar amor, pois sabemos que esse é o único caminho para podermos recebê-lo também.

Nesta semana, em suas meditações, esteja aberto para viajar para o passado. Tenha o desejo de entender um pouco melhor de onde você veio, para que você possa saber para onde avançar. Recorde-se dos momentos de sua infância. O que você gostava de fazer? Quais eram seus sonhos? Do que você gostava de brincar? A conexão mais próxima com nosso passado pode ser sentida quando éramos crianças. Nossa criança interna tem acesso a nossa janela do passado e pode nos dar os detalhes que precisamos.

Esteja aberto para entender que quem você é hoje é o auge de tudo que você já foi. Você está apoiado nos ombros de suas vidas prévias e vê que é a somatória de tudo que aprendeu e experimentou. Portanto, seja bondoso com você mesmo. Os desafios que você enfrenta hoje são uma parte de uma longa história que ainda está sendo contada. Uma longa história abarcando muitas vidas e  milhares de anos. Você ainda não é a bonita obra de arte final. Você é um bonito recipiente, mas ainda está sendo feito.

Permita que a vida dê forma a você. Abrace-a. A cada dia, ande por este mundo sabendo que, cada encontro e cada experiência que você tem, carrega um grande significado, desenhado para criar a mais bela das almas. Seja paciente com seu processo. Permita-se aprender e crescer. Permita que as rodas de sua alma continuem girando. Sua história é um longo e poderoso épico, e está longe de terminar.

 

→ clique aqui para ler outros artigos de Karen Berg

 

A vida é como uma espiral ascendente, rodando e rodando num círculo, elevando-se mais alto a cada passo. Até mesmo as estações do ano giram como uma roda, em ciclos. Assim faz também a alma, girando como a argila ao redor de uma roda de oleiro. A cada giro da roda, as mãos do oleiro remodelam a argila. Ao final, uma simples bola de argila pode se transformar em um belo e delicado vaso. Estamos na roda do oleiro da vida. Você pode se surpreender ao ouvir que não é a primeira vez que está aqui na Terra.

Este não é seu primeiro corpo. Já estivemos aqui antes e retornamos para transformar nossas almas de argila em bonitos recipientes, para que o Amor do Criador possa nos preencher. Algumas pessoas podem até se lembrar de suas vidas anteriores com detalhes precisos, assunto sobre o qual escrevi em meu livro “Idas e Vidas”. Retornamos a este mundo muitas vezes para completar nosso propósito espiritual. É frequente ver que a experiência de uma vida não é suficiente para moldar nossas almas naquilo para o qual elas realmente foram destinadas. Voltamos vida após vida, e pelo caminho deixamos sementes que crescem no carma que constrói nosso futuro.

Podemos não nos lembrar de ter plantado estas sementes, mas, no entanto, sua influência é incontrolável. Voltamos a este mundo nascendo em um certo lugar, com certos pais, certos talentos e certas aspirações. Vemo-nos conhecendo pessoas e entrando em uma variedade de eventos da vida, todos eles causados por ações de nossas vidas passadas. Cada vida é construída sobre a anterior. À medida que damos voltas e voltas, elevamos e construímos nossas bonitas almas como recipientes de Luz moldados pela experiência da vida em si mesma. Nesta semana, damos uma olhada em nosso passado de forma a entender nosso futuro. O cosmos abre uma janela e podemos ver de onde viemos para saber exatamente para onde necessitamos ir.

Nossa singular e misteriosa porção da Bíblia desta semana é chamada Mishpatim. Mishpatim significa “ordenações”. Finalizamos a semana passada no Monte Sinai e a história continua de lá. Logo após receber do Criador a primeira parte de seu guia espiritual, Os Dez Pronunciamentos, os israelitas estavam agora prontos para receber a segunda parte de seu roteiro espiritual. Os israelitas eram como recém-nascidos, frescos de um renascimento após o Egito. Eram novas pessoas embarcando numa jornada espiritual, e o Criador estava lá para guiá-los, assim como Ele está aqui para nós, hoje.

O Criador é a nossa mão do oleiro,  moldando-nos como os seres evoluídos que pedimos para nos tornar. O Criador informa aos israelitas as “ordenações” da vida, que são as regras cármicas de vida.  Estas regras espirituais formam uma aliança entre as pessoas e o Criador, fortificando sua ligação espiritual. De novo, as pessoas respondem: ”Tudo que o Senhor disser; nós faremos e iremos escutar.” Este foi o passo seguinte em suas evoluções espirituais. Este momento foi o ápice da retidão para o mundo e para toda a humanidade.

Essas orientações espirituais criam uma energia positiva e ajudam a transformar os israelitas de modo a serem o canal da Luz do Criador. Mishpatim nos oferece o conhecimento de um sistema espiritual que foi implementado para nos servir e nos ajudar a melhorar nossas vidas naquele tempo, e hoje. As orientações apresentadas pelo Criador expandem-se através de todas as nossas vidas e para toda a experiência humana. Isso pode nos ajudar se não pensarmos apenas em nossas vidas como uma história contida em nossa vida atual, mas uma história composta por muitas outras vidas.

Sua jornada não começou agora, quando você nasceu décadas atrás, nesta vida, mas começou milhares de anos atrás. Todas as suas vidas são voltas na roda do oleiro, moldando você como a pessoa que você é hoje. As orientações de Mishpatim são o caminho Divino que a alma utiliza ao longo de sua jornada. O Criador pede, então, a Moisés que suba o Monte Sinai para se unir a Ele e receber tudo que foi dito em forma física - As Tábuas. Moisés subiu e ficou na montanha por quarenta dias e quarenta noites. Um período de tempo que permitiu às pessoas purificarem-se e prepararem-se para receber as Tábuas.

Podemos passar a maioria dos nossos dias lidando com coisas de pequeno significado espiritual. Podemos permitir que nossos hobbies ou carreiras consumam todo nosso tempo. Mas isto é realmente o porquê viemos a este mundo? Nós realmente retornamos a este mundo tantas vezes para apenas acordar toda manhã, ir para nossos trabalhos e voltar para casa toda noite, apenas para repetir a mesma coisa, dia após dia? É para isto que fomos criados? Ou há muito mais para nossa existência? A Kabbalah nos ensina que a última afirmação é verdadeira.

Estamos aqui na Terra para expandir nossa alma e permitir que se manifeste em nossas vidas. Nascemos não somente para existir, mas para viver uma vida de alegria e satisfação infinitas . A alegria é o pensamento da Criação, e o Criador quer que a experimentemos. Os desafios que podemos enfrentar nesta vida nunca são aleatórios. Os desafios que você vem experimentando na vida estão conectados a uma vida passada. Quando estamos abertos para aceitar que qualquer coisa que possamos ver em nossas vidas hoje seja resultado das sementes que plantamos em vidas anteriores, podemos então ficar livres. Podemos ficar livres da dor e da culpa.

A maior liberdade é saber que tudo o que está acontecendo conosco é para nosso próprio benefício e crescimento. Saber que nossas lutas não são em vão ou aleatórias pode ser uma das maiores liberdades que poderemos ter. As leis cármicas da vida nos ensinam que tudo que damos volta para nós. Caso desejamos ter mais amor em nossas vidas, precisamos dar amor. Mishpatim nos ensina que tudo que concedemos poderá, ao final, nesta vida ou na próxima, voltar para nós como um bumerangue. Nesta semana, somos inspirados a abrir nossos corações para dar amor, pois sabemos que esse é o único caminho para podermos recebê-lo também.

Nesta semana, em suas meditações, esteja aberto para viajar para o passado. Tenha o desejo de entender um pouco melhor de onde você veio, para que você possa saber para onde avançar. Recorde-se dos momentos de sua infância. O que você gostava de fazer? Quais eram seus sonhos? Do que você gostava de brincar? A conexão mais próxima com nosso passado pode ser sentida quando éramos crianças. Nossa criança interna tem acesso a nossa janela do passado e pode nos dar os detalhes que precisamos.

Esteja aberto para entender que quem você é hoje é o auge de tudo que você já foi. Você está apoiado nos ombros de suas vidas prévias e vê que é a somatória de tudo que aprendeu e experimentou. Portanto, seja bondoso com você mesmo. Os desafios que você enfrenta hoje são uma parte de uma longa história que ainda está sendo contada. Uma longa história abarcando muitas vidas e  milhares de anos. Você ainda não é a bonita obra de arte final. Você é um bonito recipiente, mas ainda está sendo feito.

Permita que a vida dê forma a você. Abrace-a. A cada dia, ande por este mundo sabendo que, cada encontro e cada experiência que você tem, carrega um grande significado, desenhado para criar a mais bela das almas. Seja paciente com seu processo. Permita-se aprender e crescer. Permita que as rodas de sua alma continuem girando. Sua história é um longo e poderoso épico, e está longe de terminar.

 

→ clique aqui para ler outros artigos de Karen Berg