Amor Infinito | por Karen Berg

Não é uma ótima sensação quando andamos ao ar livre e respiramos ar puro? Enchendo os pulmões com oxigênio, você se sente mais livre e energizado. O ar carrega em si a energia do Divino e permite que o mundo inteiro e todos seus habitantes usem sem prejuízo algum. Muitas tradições deram a ele vários nomes. Algumas vezes é chamado de prana ou chi, mas ele é o sopro da vida. Ele está em todos os lugares e sempre em abundância. Essa força de vida esconhece a discriminação, viaja em direção a cada pessoa, cada animal e cada árvore de forma igual. Não tem preço e não tem limites. Esta energia de vida invisível representa a abundância do amor do Criador por nós e, mesmo assim, existem alguns momentos em que sentimos carência. Nós não reconhecemos a abundância que é nossa, e assim podemos nos sentir esgotados e vazios, ou sentimos que outra pessoa tem algo mais. No entanto, tais pensamentos são ilusórios. Quando as nuvens escuras cobrem o sol, o sol não continua brilhando, abastecendo todas as coisas vivas? Sentimentos de falta são apenas nuvens escuras cobrindo a verdade da abundância infinita, que existe para cada um de nós no universo. Como a inesgotável quantidade de ar que se espalha pelo globo, o universo é abundante na Luz do Divino. Esta semana, nós estamos face a face com nossas ilusões. O cosmo nos ajudará a enxergar, além destas nuvens escuras, a Luz brilhante que nos aguarda. Se pudermos parar por um momento e respirar fundo, com certeza nós veremos que o universo nunca é escasso; pelo contrário, transborda com energia, ideias, prosperidade e, mais importante, com amor infinito.

Nesta semana, nosso guia e antídoto é a porção de Korach. Korach era o nome de um dos israelitas. Mesmo depois do amor e dos milagres que Korach testemunhou, Korach começou a sentir carência e a ter dúvidas em sua vida.  Ele sentiu que Moisés e Aarão, os líderes nomeados pelo Criador, não eram dignos de liderar. Ele queria estar no controle. Ele sentiu medo e não confiou mais em seu  processo, ou no processo dos israelitas. Korach, juntamente com outros israelitas, iniciou uma revolta, uma rebelião contra Moisés e Aarão e, indiretamente, o Próprio Criador. Eles não sentiram ou confiaram no amor e no plano do Criador. Eles queriam entrar no processo e se envolver, ao invés de confiar e permitir que o Criador, Moisés e Aarão os liderassem. A revolta chegou ao ponto do Criador engolir Korach e seus seguidores para dentro da terra, e todos morreram. Mesmo sendo Moisés e Aarão mensageiros do Criador, Korach e seu povo, consumidos pelo medo e pelo sentimento de pobreza, só enxergavam negatividade neles. No dia seguinte, os israelitas, agora como um todo, acusaram Moisés e Aarão de matar Korach e seus seguidores. Mesmo que a integridade de Moisés e Aarão já tivesse sido estabelecida no passado, o Criador deu ao povo outro sinal para reassegurar aos Israelitas que Moisés e Aarão eram realmente seus líderes e eram confiáveis. O amor e o plano do Criador estavam sempre presente, e muitas vezes foram mostrados aos israelitas, mas algumas vezes ainda ficavam cheios de medo e dúvidas. Assim como o ar ao nosso redor, invisível e abrangente, assim também era o amor do Criador, mas eles não podiam se conectar com isso. Eles caíram nas nuvens escuras da carência e do medo.

Assim como em todas as porções da Bíblia, lemos sobre pessoas que viveram a milhares de anos atrás, mas na verdade estamos lendo sobre nós hoje. Esta é a magia da Torah. É o guia e a tônica dados a nós em certo momento do ano, para combatermos as forças celestiais em questão. Muitas vezes em nossa vida, nós também duvidamos do processo. Vemos outros em posições que almejamos ou possuindo coisas que desejamos. Perguntamo-nos se o Criador nos esqueceu, ou mesmo se o Criador ainda nos ama.  Como os israelitas no deserto, nos assustamos e podemos  esquecer em um segundo do amor e do plano do Criador. Ao invés de “deixar ir e permitir a Deus”,  nos descobrimos em pânico nos envolvendo, manipulando e controlando. Esta é a lição desta semana, e a lição de Korach. Momentos de medo e dúvidas requerem de nós uma pausa para respirar profundamente, lembrando que o Criador nos ama, quer o nosso melhor e tem um plano. Nos momentos em que queremos desistir e jogar a toalha, podemos restabelecer a conexão com a Divindade interna e, mais uma vez, sentir a abundância e o amor que o Universo guarda para nós.

Nesta semana, em suas meditações, saia para o ar fresco - talvez na praia ou em um vasto pasto - e inspire. Respire profundamente. Enquanto o faz, permita que os medos, as preocupações e as carências desapareçam. Lembre-se que não há pobreza no Cosmo. O amor do Criador é como o ar, onipresente, eternamente provendo e sustentando. Deixe o prana, chi e o sopro da vida encherem seus pulmões e satisfaça seu espírito. Estresse, ansiedade e dúvidas desaparecem e você se acalma. Permita-se sentir paz no coração, perceber o amor infinito que preenche seu ser e o mundo.

De fato, como o ar, o Criador está em todos os lugares e é parte de tudo. Algumas vezes, tudo o que precisamos para renovar nossa conexão é respirar profundamente e nos lembrar que o Criador está sempre conosco.

→ clique aqui para ler outros artigos de Karen Berg

Não é uma ótima sensação quando andamos ao ar livre e respiramos ar puro? Enchendo os pulmões com oxigênio, você se sente mais livre e energizado. O ar carrega em si a energia do Divino e permite que o mundo inteiro e todos seus habitantes usem sem prejuízo algum. Muitas tradições deram a ele vários nomes. Algumas vezes é chamado de prana ou chi, mas ele é o sopro da vida. Ele está em todos os lugares e sempre em abundância. Essa força de vida esconhece a discriminação, viaja em direção a cada pessoa, cada animal e cada árvore de forma igual. Não tem preço e não tem limites. Esta energia de vida invisível representa a abundância do amor do Criador por nós e, mesmo assim, existem alguns momentos em que sentimos carência. Nós não reconhecemos a abundância que é nossa, e assim podemos nos sentir esgotados e vazios, ou sentimos que outra pessoa tem algo mais. No entanto, tais pensamentos são ilusórios. Quando as nuvens escuras cobrem o sol, o sol não continua brilhando, abastecendo todas as coisas vivas? Sentimentos de falta são apenas nuvens escuras cobrindo a verdade da abundância infinita, que existe para cada um de nós no universo. Como a inesgotável quantidade de ar que se espalha pelo globo, o universo é abundante na Luz do Divino. Esta semana, nós estamos face a face com nossas ilusões. O cosmo nos ajudará a enxergar, além destas nuvens escuras, a Luz brilhante que nos aguarda. Se pudermos parar por um momento e respirar fundo, com certeza nós veremos que o universo nunca é escasso; pelo contrário, transborda com energia, ideias, prosperidade e, mais importante, com amor infinito.

Nesta semana, nosso guia e antídoto é a porção de Korach. Korach era o nome de um dos israelitas. Mesmo depois do amor e dos milagres que Korach testemunhou, Korach começou a sentir carência e a ter dúvidas em sua vida.  Ele sentiu que Moisés e Aarão, os líderes nomeados pelo Criador, não eram dignos de liderar. Ele queria estar no controle. Ele sentiu medo e não confiou mais em seu  processo, ou no processo dos israelitas. Korach, juntamente com outros israelitas, iniciou uma revolta, uma rebelião contra Moisés e Aarão e, indiretamente, o Próprio Criador. Eles não sentiram ou confiaram no amor e no plano do Criador. Eles queriam entrar no processo e se envolver, ao invés de confiar e permitir que o Criador, Moisés e Aarão os liderassem. A revolta chegou ao ponto do Criador engolir Korach e seus seguidores para dentro da terra, e todos morreram. Mesmo sendo Moisés e Aarão mensageiros do Criador, Korach e seu povo, consumidos pelo medo e pelo sentimento de pobreza, só enxergavam negatividade neles. No dia seguinte, os israelitas, agora como um todo, acusaram Moisés e Aarão de matar Korach e seus seguidores. Mesmo que a integridade de Moisés e Aarão já tivesse sido estabelecida no passado, o Criador deu ao povo outro sinal para reassegurar aos Israelitas que Moisés e Aarão eram realmente seus líderes e eram confiáveis. O amor e o plano do Criador estavam sempre presente, e muitas vezes foram mostrados aos israelitas, mas algumas vezes ainda ficavam cheios de medo e dúvidas. Assim como o ar ao nosso redor, invisível e abrangente, assim também era o amor do Criador, mas eles não podiam se conectar com isso. Eles caíram nas nuvens escuras da carência e do medo.

Assim como em todas as porções da Bíblia, lemos sobre pessoas que viveram a milhares de anos atrás, mas na verdade estamos lendo sobre nós hoje. Esta é a magia da Torah. É o guia e a tônica dados a nós em certo momento do ano, para combatermos as forças celestiais em questão. Muitas vezes em nossa vida, nós também duvidamos do processo. Vemos outros em posições que almejamos ou possuindo coisas que desejamos. Perguntamo-nos se o Criador nos esqueceu, ou mesmo se o Criador ainda nos ama.  Como os israelitas no deserto, nos assustamos e podemos  esquecer em um segundo do amor e do plano do Criador. Ao invés de “deixar ir e permitir a Deus”,  nos descobrimos em pânico nos envolvendo, manipulando e controlando. Esta é a lição desta semana, e a lição de Korach. Momentos de medo e dúvidas requerem de nós uma pausa para respirar profundamente, lembrando que o Criador nos ama, quer o nosso melhor e tem um plano. Nos momentos em que queremos desistir e jogar a toalha, podemos restabelecer a conexão com a Divindade interna e, mais uma vez, sentir a abundância e o amor que o Universo guarda para nós.

Nesta semana, em suas meditações, saia para o ar fresco - talvez na praia ou em um vasto pasto - e inspire. Respire profundamente. Enquanto o faz, permita que os medos, as preocupações e as carências desapareçam. Lembre-se que não há pobreza no Cosmo. O amor do Criador é como o ar, onipresente, eternamente provendo e sustentando. Deixe o prana, chi e o sopro da vida encherem seus pulmões e satisfaça seu espírito. Estresse, ansiedade e dúvidas desaparecem e você se acalma. Permita-se sentir paz no coração, perceber o amor infinito que preenche seu ser e o mundo.

De fato, como o ar, o Criador está em todos os lugares e é parte de tudo. Algumas vezes, tudo o que precisamos para renovar nossa conexão é respirar profundamente e nos lembrar que o Criador está sempre conosco.

→ clique aqui para ler outros artigos de Karen Berg