A razão pela qual caímos | por Michael Berg

O processo de purificação de um indivíduo de tzara'at, lepra, ocorre na porção Metzora. Não se trata apenas, no entanto, da purificação da lepra, mas também da purificação de qualquer indivíduo que tenha se encontrado na escuridão por causa de suas próprias ações negativas.

Está escrito que a pessoa que tem lepra é enviada para fora da cidade onde mora. Depois de sete dias, o kohen, o sacerdote, também sai da cidade e verifica se essa purificação pela qual a  pessoa passou foi suficiente; nesse caso, então ele ou ela tem permissão para voltar. Todo esse processo do kohen indo e descobrindo se essa pessoa pode voltar ou não, os kabalistas  ensinam que há nele uma tremenda quantidade de segredos – um sobre o qual todo o trabalho espiritual é baseado.

O propósito do trabalho espiritual, eles explicam, é recuperar centelhas de Luz que foram entregues ao Lado Negativo, chamadas klipot. Aquelas centelhas originalmente chegaram lá através do que é chamado de pecado, ou queda, de Adão, e infelizmente, ao longo da história, a humanidade também enviou coletivamente essas centelhas para o lado negativo. E o Gemar HaTikun, o Fim da Correção, ocorrerá quando as 288 centelhas forem elevadas do Lado Negativo.

Existem maneiras de elevar essas centelhas através de nossas conexões e trabalhos espirituais, mas há também uma parte muito importante na qual não prestamos atenção e que é crucial para o processo. Toda sexta-feira à noite no Shabat, nós cantamos um verso que se traduz em “a alma acorda à noite, e é quando ela traz sustento para a nossa casa”. Os kabalistas explicam que “à noite” se refere aos momentos em que nos encontramos em um lugar de escuridão, e que temos que saber que não é um erro estarmos lá. Por quê? Porque é na escuridão, no reino das klipot, onde residem as centelhas, que precisamos nos elevar.

Portanto, quando nos encontramos em um lugar de escuridão, as centelhas estão saltando para nossa alma. E quando nos reconectamos à nossa consciência, somos capazes de elevar todas as centelhas que se ligaram a nós. No entanto, se não apreciarmos o que aconteceu na escuridão e simplesmente quisermos seguir em frente e esquecermos disso, não teremos a oportunidade de elevar essas centelhas. É, portanto, incrivelmente importante ter essa apreciação para que possamos possibilitar o processo de elevação das centelhas toda vez que saímos de um momento de escuridão.

Porque quando muitas dessas centelhas são elevadas, não apenas trará toda a Luz que precisamos para nossas próprias vidas, mas também o fim da dor, do sofrimento e da morte neste mundo.

É realmente um ensinamento incrível: a razão pela qual caímos, a razão pela qual estamos na escuridão, é porque precisamos estar próximos às centelhas que ainda estão sob o controle do Lado Negativo, de modo que, quando nos elevamos, elevamos essas faíscas conosco. Portanto, temos que apreciar os tempos das trevas, sabendo que é durante esses momentos que as centelhas se ligam a nós, para que possamos elevá-las.

É por isso que, no trabalho espiritual, sempre parece haver ciclos de inspiração e de falta de inspiração, Luz e trevas; é durante os momentos em que estamos no lugar baixo que as centelhas se ligam a nós e, quando voltamos a despertar e nos conectamos novamente, nós as elevamos. Um dos presentes, portanto, que podemos receber no Shabat Metzora é o entendimento de que, a qualquer momento de nossa vida, quando estamos nos sentindo baixos e desconectados, é um momento importante. Porque quando nos tornamos reconectados, somos capazes de elevar as centelhas que se ligaram a nós.

 

→ clique aqui para ler outros artigos de Michael Berg

 

O processo de purificação de um indivíduo de tzara'at, lepra, ocorre na porção Metzora. Não se trata apenas, no entanto, da purificação da lepra, mas também da purificação de qualquer indivíduo que tenha se encontrado na escuridão por causa de suas próprias ações negativas.

Está escrito que a pessoa que tem lepra é enviada para fora da cidade onde mora. Depois de sete dias, o kohen, o sacerdote, também sai da cidade e verifica se essa purificação pela qual a  pessoa passou foi suficiente; nesse caso, então ele ou ela tem permissão para voltar. Todo esse processo do kohen indo e descobrindo se essa pessoa pode voltar ou não, os kabalistas  ensinam que há nele uma tremenda quantidade de segredos – um sobre o qual todo o trabalho espiritual é baseado.

O propósito do trabalho espiritual, eles explicam, é recuperar centelhas de Luz que foram entregues ao Lado Negativo, chamadas klipot. Aquelas centelhas originalmente chegaram lá através do que é chamado de pecado, ou queda, de Adão, e infelizmente, ao longo da história, a humanidade também enviou coletivamente essas centelhas para o lado negativo. E o Gemar HaTikun, o Fim da Correção, ocorrerá quando as 288 centelhas forem elevadas do Lado Negativo.

Existem maneiras de elevar essas centelhas através de nossas conexões e trabalhos espirituais, mas há também uma parte muito importante na qual não prestamos atenção e que é crucial para o processo. Toda sexta-feira à noite no Shabat, nós cantamos um verso que se traduz em “a alma acorda à noite, e é quando ela traz sustento para a nossa casa”. Os kabalistas explicam que “à noite” se refere aos momentos em que nos encontramos em um lugar de escuridão, e que temos que saber que não é um erro estarmos lá. Por quê? Porque é na escuridão, no reino das klipot, onde residem as centelhas, que precisamos nos elevar.

Portanto, quando nos encontramos em um lugar de escuridão, as centelhas estão saltando para nossa alma. E quando nos reconectamos à nossa consciência, somos capazes de elevar todas as centelhas que se ligaram a nós. No entanto, se não apreciarmos o que aconteceu na escuridão e simplesmente quisermos seguir em frente e esquecermos disso, não teremos a oportunidade de elevar essas centelhas. É, portanto, incrivelmente importante ter essa apreciação para que possamos possibilitar o processo de elevação das centelhas toda vez que saímos de um momento de escuridão.

Porque quando muitas dessas centelhas são elevadas, não apenas trará toda a Luz que precisamos para nossas próprias vidas, mas também o fim da dor, do sofrimento e da morte neste mundo.

É realmente um ensinamento incrível: a razão pela qual caímos, a razão pela qual estamos na escuridão, é porque precisamos estar próximos às centelhas que ainda estão sob o controle do Lado Negativo, de modo que, quando nos elevamos, elevamos essas faíscas conosco. Portanto, temos que apreciar os tempos das trevas, sabendo que é durante esses momentos que as centelhas se ligam a nós, para que possamos elevá-las.

É por isso que, no trabalho espiritual, sempre parece haver ciclos de inspiração e de falta de inspiração, Luz e trevas; é durante os momentos em que estamos no lugar baixo que as centelhas se ligam a nós e, quando voltamos a despertar e nos conectamos novamente, nós as elevamos. Um dos presentes, portanto, que podemos receber no Shabat Metzora é o entendimento de que, a qualquer momento de nossa vida, quando estamos nos sentindo baixos e desconectados, é um momento importante. Porque quando nos tornamos reconectados, somos capazes de elevar as centelhas que se ligaram a nós.

 

→ clique aqui para ler outros artigos de Michael Berg