A Camada Protetora do Lado Negativo | por Michael Berg

A porção Acharei Mot é uma discussão sobre a morte de Nadav e Avihu, os dois filhos de Aarão. Em uma de minhas seções favoritas no Or ha'Hayim, o grande kabalista, Rav Chaim Ben Attar, fala que esta porção não trata sobre a morte, mas, na verdade, de sua partida deste mundo.  Está escrito que Nadav e Avihu se aproximaram da Luz do Criador, e eles morreram. E Or ha'Hayim explica que Nadav e Avihu chegaram tão perto da essência pura da Luz do Criador, com tanto desejo sagrado, que essa proximidade foi o que provocou sua morte. Isso é algo que é mencionado nos escritos dos kabalistas chamado de “Beijo do Criador”, que remove a alma do corpo.

No entanto, há uma diferença nesse beijo entre quando pessoas justas morrem e quando  Nadav e Avihu morreram. Para a pessoa justa, está escrito que o beijo vem em direção a ela, ou seja,  que a pessoa viveu sua vida de uma maneira que a conectou mais e mais à Luz do Criador, terminando seu trabalho neste mundo. Então, o Criador se aproxima dela com um beijo e se unifica com sua alma. Mas Nadav e Avihu eram diferentes, porque não eles completaram sua tarefa neste mundo; em vez disso, eles escolheram ativamente ir em direção à Luz do Criador, de tal forma que isso removeria suas almas de seus corpos.

Esse é o segredo das palavras: “Eles se aproximaram de Deus”. Isso significa que eles escolheram continuamente se aproximar da Luz do Criador, mesmo sabendo que esse tipo de proximidade tornaria impossível que suas almas permanecessem em seus corpos.

Mesmo se Nadave Avihu estavam tendo uma experiência espiritual ao entrar no Tabernáculo, e eles sentiram o amor e a beleza da Luz do Criador, eles tinham a consciência de que, se continuassem por esse caminho, conectando-se à Luz daquela maneira, suas almas não permaneceriam em seus corpos. Portanto, Nadav e Avihu fizeram uma escolha consciente: eles desejavam essa proximidade mais do que desejavam a vida dentro de seus corpos, e ativamente optaram por se reunificar completamente à Luz do Criador, embora ainda tivessem trabalho a fazer neste mundo.

Então, é isso que Rav Chaim Ben Attar explica sobre a elevação consciente das almas de Nadav e Avihu de seus corpos. E o grande kabalista o Arvei Nachal, Rav David Solomon Eibenschutz (1755-1813), que foi sepultado em Tzfat pelo Ari, toma esse ensinamento e depois nos dá uma compreensão mais profunda. Cada um de nós, diz ele, é criado com o que é chamado de inclinação positiva e inclinação negativa. Todos nós temos o desejo de fazer o bem e o desejo de fazer coisas negativas, porque temos livre-arbítrio. Para possibilitar o livre arbítrio, é preciso haver uma criação da inclinação negativa que existe e reside dentro de cada um de nós.

Há um segredo mais profundo sobre a necessidade de cada um de nós ter essa inclinação negativa dentro de nós. Assim como não poderíamos existir sem o desejo positivo, também não poderíamos existir sem esse desejo negativo. A inclinação positiva que temos dentro de nós é uma energia que nos dá vida, e assim também a inclinação negativa dentro de nós é necessária para nos dar vida. Mas como podemos entender que recebemos a vida da inclinação negativa?

Como aprendemos com Nadav e Avihu, se uma pessoa está realmente envolvida no trabalho espiritual, está realmente crescendo em sua conexão, é da natureza da alma não querer residir no corpo. É por isso que, por exemplo, está escrito no Tehilim, Livro dos Salmos, que a cada respiração a alma quer sair. A alma não quer permanecer neste corpo, especialmente se for despertada novamente para sentir uma conexão com a Luz do Criador.

Sabemos que é o desejo de tudo voltar à sua fonte, e a fonte da alma é a Luz do Criador. Como tal, se não houvesse um sistema construído que praticamente força a alma a permanecer dentro do corpo, a alma deixaria o corpo o tempo todo.

Assim, para impedir que a alma deixe o corpo a qualquer momento que ela sente a Luz, o Criador tomou nossa essência, nossa alma, aquela natureza positiva que está realmente no centro de quem somos, e a envolveu no desejo mais negativo, na única coisa que é exatamente o oposto da Luz do Criador: o desejo de receber para si mesmo. E o que chamamos de inclinação negativa é, na verdade, a protetora. Se não fosse pela inclinação negativa que cada um de nós tem, nossa alma estaria fora do nosso corpo.

O Lado Negativo não está lá apenas para nos dar livre-arbítrio. Claro, essa é uma das razões, mas também está lá para permitir a vida no corpo humano. Porque, se não fosse pelo fato de que a alma está coberta forçosamente por esse desejo de receber para si mesmo, a alma não permaneceria no corpo.

O Lado Negativo está sempre lá para intervir e garantir que não fiquemos muito espirituais ou conectados. O que aconteceu com Nadav e Avihu, portanto, é que a camada protetora da inclinação negativa foi quebrada.

Com esse entendimento, podemos começar a perceber que, quando estamos nos sentindo desconectados, isso faz parte da proteção, parte do que nos mantém vivos. Sempre que sentimos algum tipo de falta, certamente uma carência espiritual, o que estamos sentindo e com o que estamos nos conectando é a camada protetora que está permitindo que nossa alma permaneça dentro do corpo. A alma, por natureza, quer voltar à sua fonte, por isso, a fim de nos permitir fazer o trabalho que precisamos neste mundo, o Criador nos deu um dom que nos permite viver: a inclinação negativa.

Ele cria uma camada, uma casca, ao redor da alma e não permite que ela se conecte 100% e chegue completamente ao estado que deseja para deixar o corpo. Estar fechado dentro dessa inclinação negativa é o que nos permite fazer o trabalho neste mundo. É verdadeiramente um lindo ensinamento e dádiva.

 

→ clique aqui para ler outros artigos de Michael Berg